Thainá Duarte sobre morte de Anita: “Cena pesada de gravar”

Atriz de 22 anos vive primeiro papel impactante na série Se eu fechar os olhos agora


  • 16 de abril de 2019
Foto: Globo/João Cotta


Por Redação

* Entrevista também disponível em vídeo, abaixo.

Na estreia da excelente série Se eu fechar os olhos agora, nesta segunda-feira, 15 de abril, na Globo, a jovem Thainá Duarte teve poucos, mas bons momentos em cena. Ela deu vida à Anita, jovem sensual e estonteante, que foi assassinada de forma brutal e misteriosa, já no primeiro capítulo. “Foi uma cena muito pesada de gravar, mas a produção teve um grande cuidado com a gente”, conta ela.

Aos 22 anos, Thainá considera a personagem como o seu grande papel até agora. Antes ela já havia participado da novela I Love Paraisópolis, em 2015, e do filme Mundo Cão, disponível atualmente na Netflix. “Acho que viram um potencial em mim que eu não via e isso foi me ajudando a crescer como atriz”, avalia ela, que pintou o cabelo de loiro para interpretar a exuberante moça.

A série, que se passa em 1960, mas poderia muito bem acontecer nos dias atuais, mostra uma sociedade em que não basta só ser. Se eu fechar os olhos agora, de Ricardo Linhares, é inspirada no livro homônimo de Edney Silvestre, e tem direção artística de Carlos Manga Jr. O clima noir dá todo o tom de mistério na trama, e a partir de agora outros fatos vão se desenrolar até a descoberta do verdadeiro assassino.

Anita (Thainá Duarte). Foto: Globo/Mauricio Fidalgo

Como você define a Anita?

Anita é uma mulher exuberante, muito linda. Ela chama a atenção dos homens e das mulheres de São Miguel. Mas isso acaba e virando contra ela. Mesmo sendo essa mulher bonita e admirada, ela carrega um passado obscuro, de muito sofrimento, injustiça. A gente vê que esse personagem sofre muito durante a história e isso culmina na morte dela. A Anita vive em funçao dos outros. Inclusive, a gente descobre quem é a personagem pela ótica dos outros.

 

 

Como você faz uma relação do que houve com Anita em relação ao mundo atual?

A Anita precisou de muita força para conseguir se sustentar no ambiente em que ela vivia. E eu acho que isso se relaciona aos dias atuais porque a gente precisa também de força para viver, enxergar a realidade que a gente está e se posicionar.

Você participou do primeiro capítulo quando ela morre. E como foi fazer essa cena?

Foi uma cena pesada de gravar. Mas ao mesmo tempo teve muito cuidado da produção em como seria, porque é uma morte cruel que esse menina tem. No set estavam todos pensando nos atores envolvidos, não só eu, como as pessoas que acabam matando a Anita e a gente vai descobrir.

Anita (Thainá Duarte). Foto: Globo/Mauricio Fidalgo

Você passou por uma mudança grande no visual para a personagem, né?

Eu tive que pintar o cabelo de loiro e a gente costumava alisar nas cenas. Tem uma sequência que ela está com o cabelo enrolado, mas foi bom porque me ajudou a entender quem era a personagem.

Como foi sua trajetória até chegar nesse papel importante?

A Anita é o meu primeiro grande papel. Não é a minha estreia porque eu fiz I Love Paraisópolis, fiz também o filme O Mundo Cão, que está na Netflix. Eu acredito que com as pessoas vendo o que eu podia fazer, elas viram um potencial em mim que eu também não via, e isso foi me ajudando a crescer como atriz. Aí eu cheguei na Anita, um papel que foi um grande desafio pra mim, e eu acredito que vai ser muito importante na minha carreira.

 

 

 



Veja Também