Saiba mais sobre Mario Bregieira, o discípulo Marcos, de Jesus

Na estreia em novelas, ele diz que quase desistiu de atuar e que trama fortaleceu sua fé


  • 15 de março de 2019
Foto: Marcelo Trevelin


Por Luciana Marques

Na batalha desde os 14 anos, quando iniciou cursos de teatro ainda em sua cidade natal, Piracicaba, por pouco Mario Bregieira não desiste da carreira artística. Tanto que pouco antes de ser aprovado para interpretar o discípulo Marcos, em Jesus, ele enfrentou uma fase profissional difícil. “Mas hoje acredito que o tempo de Deus é diferente do nosso”, diz.

Tanto lutou, que após ter feito peças como Tresloucados e muitas campanhas publicitárias de marcas famosas, ele conseguiu realizar o seu sonho de fazer uma novela. O personagem entra nesta reta final da trama bíblica da Record TV como o homem que irá abrigar em sua casa os apóstolos, que estarão sendo perseguidos após a crucificação de Jesus.

Marcos (Mario Bregieira). Foto: Divulgação

Como definiria esta sua estreia na TV?

Um sonho! Quem me conhece sabe que meu sonho sempre foi fazer novela. E hoje estar em uma grande emissora, fazendo uma novela que toca a vida de tantas pessoas, as instigando a fazer o bem e a seguir Jesus é realmente um presente pessoal e profissional. 

Bateu um frio na barriga, algo tipo, será que vou segurar? Ou a sua base no teatro, todo o tempo de estudos, bagagem de comerciais, foram essenciais neste momento?

Hoje me sinto maduro profissionalmente para poder encarar esse desafio. Sempre me preparei bastante para esse momento, estudo a linguagem que se usa na TV desde que era adolescente, sinto que aconteceu no momento certo. O frio na barriga sempre acontece antes de cada cena, tudo foi muito especial desde o início, pois foi minha estreia na TV em uma grande emissora. Acho que esse frio na barriga mostra o amor e a expectativa depositada nesse lindo trabalho. Além do suporte dos diretores, os atores que contracenaram comigo sempre foram muito generosos e fizeram questão de que eu me sentisse em casa, isso fez toda a diferença.

 

 

Como foi a sua preparação para o personagem?

A preparação aconteceu em duas etapas, primeiramente tive um contato muito bacana com o Bispo Miguel Peres que me deu todo o contexto histórico e me explicou de forma mais aprofundada quem realmente foi Marcos, além de me acompanhar em grande parte das gravações e me ajudar a encontrar o tom adequado para o Marcos. Sou muito grato ao Bispo por todo o conhecimento e generosidade compartillhados, isso foi essencial para a construção do personagem. Depois em um segundo momento tive o acompanhamento do preparador de elenco da Record Leandro Baumgratz que trabalhou comigo as intenções de cada cena separadamente.

O que instiga mais você ao viver o discípulo Marcos?

O altruísmo, a solidariedade e principalmente a disposição dele em seguir Jesus.

Há algo em comum entre você e o personagem?

Me identifiquei muito com Marcos desde o início. Ele ajudou muita gente sem esperar nada em troca, simplesmente por saber que era o caminho certo a seguir. Eu sempre fui muito ligado à trabalhos sociais, atualmente faço parte de um grupo social que se chama Dadivar, onde ajudamos ONGs de todas as causas, esse é um dos meus combustíveis para a vida e acredito que também tenha sido o de Marcos naquela época.

Todo o ator diz que aprende algo com o personagem, seja bom ou mau. O que mais tem aprendido com o Marcos?

Eu aprendi com o Marcos que não somos perfeitos, somos humanos, e que o grande barato da vida é saber reconhecê-los e superá-los.

Qual a sua relação com religião, é adepto de alguma em especial?

Sou batizado na igreja católica, mas atualmente frequento muito a igreja evangélica, tento usar o que vejo de melhor em cada uma para criar a minha em meu coração, me considero cristão. A novela fortaleceu muito a minha fé.

Foto: Divulgação

Você faz teatro desde os 14 anos, a sua caminhada já é longa. Passou alguns perrengues como todo o jovem ator até conseguir uma chance, pensou alguma vez em desistir, ou tudo faz parte?

A nossa carreira é muito incerta e existem muitos altos e baixos, já pensei várias vezes em desistir. Aliás, no momento em que fui aprovado para a novela estava passando por uma fase difícil de aceitação profissional. Mas hoje acredito que o tempo de Deus é diferente do nosso, tudo acontece no momento certo. 

Você é de qual cidade? E como é viver longe da família, teve alguma dificuldade inicial para se adaptar a grandes centros, como São Paulo, Rio, longe dos parentes?

Eu sou de Piracicaba, interior de São Paulo. Eu saí de casa com 17 anos para morar no Rio onde fiz faculdade de cinema e cursos para preparação de TV. Um ano depois retornei a São Paulo onde conclui a faculdade de cinema e logo em seguida passei uma temporada em Nova York fazendo um curso de atuação para cinema na New York Film Academy. Nessas idas e vindas acabei me acostumando com a distância, mas sempre fui muito ligado à minha mãe e ao meu pai. Acho que o maior obstáculo é a saudade, e quando tenho uma folga corro para São Paulo para passar uns dias com eles. 

Qual o seu sonho na carreira?

Tenho vários objetivos na minha carreira, gostaria de um dia fazer o protagonista em alguma novela, atuar em algum filme em Hollywood... Mas dentre eles o maior com certeza é poder viver fazendo novela, sou apaixonado pelo desafio de construir e viver genuinamente um personagem. Poder evoluir e trocar com meus companheiros de cena, contar uma história do começo ao fim, sentir o carinho e o impacto disso na vida das pessoas é o meu maior objetivo. 

Manuela Llerena, a Deborah: “Como ela, me lanço no mundo”

Rodrigo Andrade: “Minha fé estava adormecida, mas tem germinado”

Nicola Siri: “Essencial ter conquistado tudo com suor e esforço”

Eucir de Souza, o vilão de Jesus: “Caifás tem sido uma dádiva”

 



Veja Também