Sabrina Sato sobre volta de Made in Japão: “Agora, vamos levar a roupa suja para fora da casa”

Estrela festeja exibição do reality em novo dia, horário e em versão mais dinâmica  


  • 21 de maio de 2020
Foto: Edu Moraes/Record TV


Esse período de quarentena tem feito Sabrina Sato refletir sobre várias questões. Em isolamento social com o marido, Duda Nagle, a filha, Zoe, e os pais, em seu apartamento, em São Paulo, a estrela ressalta que o momento é de união, solidariedade e empatia. “Precisamos um do outro para ter um mundo melhor”, avalia. Mesmo sem o ritmo frenético de gravações, Sabrina não para. Faz lives, dá entrevistas, cuida da filha, faz ginástica, limpa a casa como a maioria das mulheres do Brasil nesse momento.

Depois de ver o Domingo Show sair do ar, após mal ter estreado sob o seu comando aos domingos, por conta da Covid-19, ela celebra agora a volta ao ar do reality Made in Japão. A atração, que antes era um quadro, passa a ser exibida como programa solo, aos sábados, às 22h30, a partir deste fim de semana. A apresentadora revela que a versão virá mais dinâmica, com cenas inéditas até o seu desfecho, no dia 27 de junho, mostrando as tensões, alianças e intrigas entre as dez celebridades que disputam a gincana e o prêmio de R$ 500 mil.

Os participantes são os atores Sérgio Hondjakoff e Gui Santana; os modelos e ícones da virada do século Luiza Ambiel e Flávio Mendonça; os atletas Richarlyson e Maurren Maggi, as influenciadoras digitais Babi Muniz e Silvana Oliveira; a passista Quitéria Chagas e o veterano em realities Dhomini, ex-namorado de Sabrina Sato. 

"São dez participantes completamente diferentes, cada um com uma história de vida, e essa parte estava começando a ser mostrada quando houve a pausa na exibição do programa. Acredito que ficou aquela sensação de querer saber o que vinha depois”, conta.

O programa volta agora, em nova versão. Nesse tempo, por quais reflexões você passou durante o isolamento? Estávamos em um ritmo frenético de gravações e, de repente, precisamos parar tudo. Mas tive a total compreensão de que foi necessário em razão de tudo o que aconteceu no mundo. Tudo parou: das pequenas às grandes emissoras. Neste momento de isolamento, refleti muito sobre a nossa vulnerabilidade e sobre qual é o nosso papel no mundo. Precisamos um do outro para ter um mundo melhor.

Quais serão as novidades do programa, agora no horário nobre? O Made in Japão vai voltar com perfil mais de reality de convivência, para que possamos conhecer melhor a história de cada participante e entender os acontecimentos da casa. Agora exibido como uma atração isolada, teremos mais tempo para mostrar isso, diferentemente de quando ele era um quadro dentro de um programa.

O que vimos até aqui foi uma competição divertida, mas também levada bastante a sério pelos candidatos. O que esperar dos novos episódios? O Made in Japão estava só no começo, tinha muita água para rolar e muita coisa para apimentar ainda mais essa convivência. Agora, vamos levar a 'roupa suja' para fora da casa: vamos fazer lives em plataformas digitais, com os participantes, para que muito do mal-entendido dentro da casa, e que será exibido, seja resolvido... Ou não.

A resposta do público até aqui foi a que você esperava? Ficou pouco tempo no ar, e são dez participantes completamente diferentes, cada um com uma história de vida distinta. Essa parte estava começando a ser mostrada quando houve a pausa na exibição do programa. Então,  acredito que ficou aquela sensação de querer saber o que vinha depois. Todo reality conta uma história ao longo de sua temporada, e o Made in Japão não será diferente.

Como foi passar esse período longe dessa bagunça da gincana? Eu senti muita falta da rotina que eu tinha. Durante as gravações e nos bastidores, era tudo muito intenso. Mas agora estamos retomando contato aos poucos, com reuniões e chamadas de vídeo com a produção, seguindo todas as recomendações de saúde necessárias.

Só falta anunciar o vencedor, certo? O que tira dessa experiência? Foi uma maratona intensa. Para mim, foi uma experiência diferente e única comandar um reality show, após 17 anos desde que fui participante de um. O Made in Japão é um formato mundial, que é inédito no Brasil, com provas malucas e divertidas. Além disso, o confinamento promove esse exercício de convivência real. Os participantes são pessoas totalmente diferentes, com histórias diferentes. A convivência não é fácil, e todos levaram a competição bem a sério, mas também se divertiram muito juntos. Eu também me diverti com eles. Quanto ao vencedor, a final será no dia 27 de junho. Todos estamos ansiosos para saber quem vai ganhar o prêmio de R$ 500 mil. Espero que todos acompanhem o programa e gostem muito do que está sendo produzido, porque estou certa de que será um ótimo entretenimento para todos.

Ana Petta, a Dra Laura: “Entendi a importância e a beleza do trabalho na atenção básica à saúde”

Sophie Charlotte é Maria Alice: “O encontro dela com o Paulo é lindo, potente, maluco e humano”



Veja Também