Rodrigo Andrade: “Minha fé estava adormecida, mas tem germinado”

O Simão Zelote, de Jesus, exalta perrengues e vitórias nos 10 anos de carreira


  • 17 de dezembro de 2018
Foto: Divulgação


Por Luciana Marques

*Entrevista disponível também em vídeo, abaixo.

Em 2019, Rodrigo Andrade completa 10 anos do primeiro papel fixo numa novela, o Téo, de Caras & Bocas. Desde então, emendou papeis importantes como o Berto, de Gabriela, o Daniel, de Amor à Vida, o Fábio de Êta Mundo Bom!. “Olhando tudo o que eu passei, não tenho arrependimento, mágoa. Muito pelo contrário, só gratidão”, ressalta ele, que no início da carreira foi garçom e chegou a morar numa repúblico com amigos como Rafael Cardoso.

Mas com determinação e perseverança, apesar de alguns erros no caminho, como admite, ele tem trilhado uma bonita carreira. Atualmente, está no ar como Simão Zelote, na trama bíblica Jesus. E segundo o ator, este trabalho tem lhe aproximado da fé. “Estava adormecida dentro de mim, mas tem germinado, crescido cada vez mais, e me feito muito bem”, conta ele, que também é músico. E nosso bate-papo, ele dá uma dica do projeto musical que bem aí em 2019.

Simão Zelote. Foto: Blad Meneghel/Record TV

Como tem sido esta experiência de viver Simão Zelote, em Jesus, o que mais instigado você no papel?

Eu sou um ator que eu gosto muito de desafios, então quando tem um personagem que não é contemporâneo  que não tem absolutamente nada a ver com o Rodrigo Andrade, isso já me instiga. E eu acho que isso é algo que mais me chama atenção, ele é completamente distante de mim, embora a gente tenha algumas coisas em comum. Por exemplom Simão zelote é um cara muito revoltado com o sistema político da época, sobre o domínio de Roma, e é uma coisa que se aproxima um pouco comigo nos dias de hoje, essa indignação do momento que a gente vive. Então acho que isso é o que me aproxima talvez um pouco do Simão Zelote, esse senso de justiça, essa revolta pela injustiça.

Nicola Siri: “Essencial ter conquistado tudo com suor e esforço”

Hall Mendes entra em Jesus como “galanteador de bom coração”

Simão é um homem bom, será um dos doze apóstolos... O que aprendeu com o personagem?

Ele me permitiu como ser humano me aproximar mais de Jesus, dessa energia, desse cara que é Jesus Cristo. E ele me trouxe o discernimento do tamanho e a importância que é ter Jesus nas nossas vidas. Então acho que é uma das melhores coisas que Zelote trouxe para mim, esse discernimento da importância que é ter Jesus Cristo presente na nossa vida.

Qual a sua ligação com religião, é na fé que você se ampara nos momentos difíceis?

Sim! Acho que todas as pessoas nos momentos mais complicados da vida se apegam à fé, é o que nos cabe quando não sobrar mais nenhuma alternativa, a última sempre é Deus e a fé. Quando de fato, a fé deveria ser sempre a primeira alternativa Um outro presente que o Zelote me trouxe é ter descoberto uma fé que até então era desconhecida dentro de mim. Uma passagem bíblica que eu acho bonito que Jesus fala: 'Se você tiver uma fé do tamanho de um grão de mostarda e germiná-la dentro de você, você pode tudo! Peça para que aquele morro mude de cá para lá e ele moverá!'. É uma passagem bíblica que eu acho bastante interessante, e o Zelote me trouxe isso. Descobri que a minha fé era do tamanho do grão de mostarda, muito pequenininha, adormecida dentro de mim. Mas ela tem germinado, crescido cada vez mais, e isso só tem me feito bem como ser humano.

Foto: Divulgação

Há quase 10 anos você estreava em novelas. De lá para cá, como você avalia a sua carreira, algum arrependimento, mágoa, ou tudo tem acontecido de forma bacana?

Em 2019 eu completo 10 anos da minha estreia com personagem fixo em novelas que foi Caras e Bocas. Eu acho que a minha carreira vem num crescente muito bonito. O Rodrigo como ser humano e como profissional tem amadurecido a cada trabalho. Olhando de onde eu saí, de tudo que eu passei, eu não tenho arrependimento, não tenho mágos. Muito pelo contrário, só tenho gratidão por tudo que aconteceu, por tudo que tem acontecido. Talvez se eu pudesse voltar no tempo, em alguns momentos eu não tive o foco que eu deveria ter, mas isso também fez parte do meu crescimento, amadurecimento. Tenho muito orgulho da minha história, da minha trajetória pessoal e profissional

Ser ator no Brasil não é fácil. E a gente sabe que você passou por perrengues no início... Qual as maiores lembranças desta época em que você morou numa república com alguns outros atores, Rafael Cardoso, André Bankoff, faria tudo de novo?

Perrengue eu acho que a maioria dos atores passam ou passaram, né? Eu passei muito perrengue na minha vida, mas todos os perrengues só serviram para amadurecimento, para fazer eu crescer, e não tenho pesar nenhum. São sempre lembranças bacanas, engraçadas. Na época do perrengue, o Rafa Cardoso, André Bankoff o Klebber Toledo, gente se conheceu e se tornou amigo. Acho que isso também fortaleceu. Hoje o Rafa Cardoso é um dos meus melhores amigos, meu padrinho, sou padrinho dele, do filho dele, acabou virando uma família só. E as lembranças são engraçadas, e muitas a gente não pode nem contar aqui.

Simão Zelote (Rodrigo Andrade). Foto: Blad Meneghel/Record TV

Qual a principal diferença daquele Rodrigo dessa época, batalhando por um espaço, para hoje?

Eu ainda continuo batalhando dia após dia. A gente nunca pode parar de batalhar pelos nossos objetivos, pelas coisas que a gente quer conquistar, é sempre uma luta diária. Hoje existe um pouco mais de resultados, daquilo tudo que a gente plantou lá atrás a gente colheu e continua colhendo. Mas também continua plantando, então a vida para mim é isso aí, principalmente a vida profissional como ator, como cantor, como músico. Ser artista no Brasil é muito difícil, mas tem sua recompensa com todas as profissões, e quem persiste, acredita nos seus sonhos com vontade, amor, dedicação, uma hora as coisas vão acontecendo, mas continua batalhando dia após dia.

Paralelamente a sua carreira de ator, você também é músico, faz shows. Como definiria o seu som?

Além do meu trabalho de ator eu tambem tenho o meu projeto musical. A música pra mim é um escape, é minha paixão, aonde eu sou o Rodrigo Andrade mesmo, quando eu estou no palco. E o meu som é uma mistura das minhas influências, a música sertaneja que eu gosto de ouvir com humor, de me divertir.

Algum novo projeto para 2019?

Tenho um projeto musical para o ano que vem, bem diferente musical, único no Brasil, inédito! São músicas bem tocadas, com as minhas raízes musicalmente falando, com o que eu gosto de ouvir, mas de uma maneira que vem com bastante humor também, para levar sorriso, alegria às pessoas. E é algo extremamente diferente, que já veio a ser apadrinhado por uma galera bem legal. Cpmo eu falei antes, é um projeto inédito, que eu tenho certeza que todo mundo vai gostar. Infelizmente ainda não posso falar o nome do projeto porque está em fase de registro e tudo mais... Mas em 2019 tem um projeto musical de Rodrigo Andrade que vai encantar o Brasil, com certeza.



Veja Também