Rafael Cardoso: “Há uma tensão sexual entre Daniel e Letícia”

Ator diz ainda que, por conta do personagem, ficou curioso em fazer terapia de regressão


  • 20 de fevereiro de 2019
Foto: Globo/Raquel Cunha


Por Luciana Marques

A cada novo capítulo de Espelho da Vida, Daniel (Rafael Cardoso) faz uma nova descoberta em relação a sua vida passada como Danilo Breton. Tudo graças à terapia de regressão feita com uma das maiores especialistas do assunto no mundo, a doutora Letícia (Letícia Persiles), que vive em Portugal.

O fotógrafo já descobriu que o nome da mulher que está no quadro em museu de Lisboa e aparecia sempre em seus sonhos é Julia; que ele era um pintor, e os dois foram muito apaixonados no passado. E que tiveram, inclusive um filho. Com tantas revelações, Daniel decide não viajar mais para o Brasil até descobrir quem foi Julia e o que ela representou em sua vida.

Para Rafael Cardoso, que já disse que “Alain (João Vicente de Castro) perdeu”, e que deve “ser lindo o encontro de Daniel e Cris (Vitória Strada), porém, há um certo encantamento do fotógrafo também pela sua terapeuta. Será? Até porque dizem que Maristela, a vida passada de Letícia, foi um grande amor de Gustavo Bruno, que atualmente vem a ser o Alain...

Daniel (Rafael Cardoso) e Letícia (Letícia Persiles). Foto: Reprodução Instagram

Aparentemente a relação entre o Daniel e a Letícia parece ser só profissional. Mas você acha que pode rolar alguma coisa a mais?

Eu acho que a tensão sexual existe. O Freud (criador da psicanálise) acreditava muito nessa relação de atração entre analista e analisado. Eu acredito nisso também, e acho mais pela parte do personagem da Letícia que tem um pouco mais. O Daniel sente, mas tem a sapiência de deixar de lado. Teve uma cena no início em que ele a chamou para tomar um café, e ela disse que ‘não’. Mas que existe, existe.

João Vicente: “Se depender da internet, Alain e Cris ficam juntos”

Rafael Cardoso: “Acho que vai ser lindo o encontro de Cris e Daniel”

Você já fez ou faz terapia?

Olha, eu já fiz, mas hoje eu acho que estou em um momento que estou bem, não estou precisando. Hoje eu faço a terapia da floresta, vou pro mato, vou plantar, é a terapia que eu encontrei pra mim. Vou pra minha fazenda e levo meus filhos, vou pro mar, cachoeira, faço minhas rezas. Frequento desde templo budista, vou para candomblé, umbanda, centro espírita, eu vou onde tenho vontade. As energias do bem estão aí, então vamos trabalhar.

E terapia da regressão, passaria por esta experiência?

Já pensei em fazer. Fiquei curioso, e agora estou mais ainda.

Em O Outro Lado do Paraíso você fez um vilão, agora vem com dois mocinhos. São processos muito diferentes de preparação?

Cada processo é um. Eu vou desenvolvendo, descobrindo coisas, até porque novela é uma obra aberta. E acaba sendo uma escola para nós atores, estamos sempre com a pulga atrás da orelha sobre o que vai acontecer. O processo do Renato teve uma preparação grande por serem personagens totalmente diferentes em fases distintas, aliados pela mesma loucura. Em Espelho da Vida, são dois personagens, mas muito parecidos em essência, são a mesma alma, pelo espiritismo, e tem a diferença que eu acho que nós somos frutos daquilo que já vivemos. Na época que o Danilo viveu são outras referências. Já o Daniel é influenciado por esse mundo maluco que a gente tem hoje, então é uma casca um pouco mais grossa. E dentro da arte, eu já pinto, e o Danilo é um pintor. A gente vai trazendo da vida tudo o que a gente tem. Eu comecei a pintar mais, fotografar. Também desenho, escrevo poesias, gosto de encher o caldeirão, e depois sai alguma coisa.

Vitória Strada, a Cris: “Aprendendo a sentir mais com o coração”

Catarina de Carvalho: “O teatro traz esse lugar do não deslumbre”

 



Veja Também