Patricya Travassos: “Ator que entra na zona de conforto, dança”

De volta à Globo na trama das 6, ela é dirigida por ex-ator mirim com quem atuou em Vamp


  • 10 de janeiro de 2019
Foto: Globo/João Miguel Júnior


Por Redação

Apresentadora do Alternativa Saúde, do GNT, durante 14 anos, Patricya Travassos conhece bem o universo místico de sua personagem Grace, mãe da vilã Isabel (Alinne Moraes), em Espelho da Vida. “É a minha onda, nem preciso fazer laboratório para vivê-la”, conta. Sobre o tema da novela, reencarnação, carma, ela diz não ter religião, mas acha uma “explicação bem lógica” para vários acontecimentos da vida.

Dois anos após deixar a Record TV, Patricya estava em cartaz com a peça Aérea e no elenco de A Vila, de Paulo Gustavo, no Multishow, quando foi convidada para estar na novela. “Nunca parei”, diz. E o inusitado é que o convite partiu do diretor artístico da trama das 6, Pedro Vasconcelos. Ele era ator mirim em Vamp, mesma novela em que a atriz brilhou como a vampira Mary Matoso, em 1991. “É muito legal isso”, constata.

Foto: Globo/César Alves

Fale um pouco sobre a sua volta às novelas?

Eu estive na Record por alguns anos. Eu não saí dos folhetins, mas as pessoas não veem tanto a Record quanto veem a Globo. Então parece que você sumiu, tem até uma piada que rola por aí, mas eu acho um pouco de exagero. As pessoas talvez não estejam vendo tanta televisão, mas nunca parei de fazer TV e teatro.

Catarina de Carvalho: “O teatro traz esse lugar do não deslumbre”

Alinne Moraes: “Não acredito, nem desacredito em reencarnação”

Espelho da Vida trata de reencarnação, carma, você acredita?

Olha, eu não tenho religião, mas eu acho a reencarnação e o carma uma explicação bem lógica, porque a gente vê na internet, por exemplo, umas crianças de três anos ou por volta disso, tocando um clássico de Beethoven e de onde veio esse conhecimento? Como uma criança nasce já sabendo disso? Eu acredito que tenha uma carga de informação ancestral no DNA ou realmente foi você que esteve em outro lugar e veio consertar isso.

Sua experiência como apresentadora deve ter trazido um know-how a você sobre o tema, né?

Eu apresentei o Alternativa Saúde durante 14 anos, então durante esse tempo 1 milhão de pessoas foram lá. Eu conheci muita gente interessante e algumas fiquei um tempo seguindo ou praticando seus ensinamentos. É a minha onda! Essa personagem não é muito distante de mim, é muito mística, eu não sou tanto, mas é o tipo de personagem que eu entendo. Nem preciso fazer laboratório para vivê-la.

Na trama Vamp, em 1991, Otávio Augusto, Patricya Travassos, Ney Latorraca, Guilherme Leme e Flávio Silvino.

Foto: Globo/Nelson Di Rago

O que esse papel traz para a sua carreira hoje?

Todo papel traz desafios. Todo momento que você está assistindo televisão e vendo as pessoas atuando, você fica impressionado com a entrega, sempre é um desafio. Para mim, a Edméia/Grace é muito difícil, mas tenho tentado levá-la para um lado do humor, mas sem entrar na caricatura.

Como aconteceu a sua escalação para a novela?

Foi convite. Tinha acabado de estrear uma peça, e também estou fazendo A Vila, do Paulo Gustavo no Multishow. Não estava esperando nada disso, completamente aérea, iria continuar com a minha peça agora no segundo semestre, assim que acabassem as gravações de A Vila, e aí de repente surgiu esse convite. Acho que fui a última pessoa a entrar na novela. Eu falei que achava que não dava por conta dos trabalhos que eu já estava fazendo, mas aí falaram que não havia problema, já que meu personagem entrava só mais adiante.

Em cena de Vamp, Igor Lage e Pedro Vasconcelos, hoje diretor artístico de Espelho da Vida. Foto: Globo/Geraldo Modesto

E há quanto tempo você estava sem contrato com a Record?

Há dois anos. Mas aí eu fiz outras coisas, estive no Multishow, fiz série, mas eu achava natural isso acontecer. Trabalhei muitos anos na Globo, sou uma atriz e estava no mercado. E é muito legal porque quem dirige é o Pedro Vasconcelos que era uma das crianças em Vamp...

Além de atuar, você é apresentadora. Você sempre costuma sair da zona de conforto, não é?

É, eu acho super legal. Eu acho que ator que entra na zona de conforto, dançou, porque nunca é fácil.



Veja Também