O Tempo Não Para: Samuca atônito com pedido de Livaldo em carta

Após se redimir, malandro sugere nome ao neto, filho do empresário com Marocas


  • 14 de janeiro de 2019
Foto: Reprodução Globo


Depois de aprontar todas, deixando o próprio filho, Samuca (Nicolas Prattes), praticamente na falência, finalmente Livaldo (Nelson Freitas) se redime.

Antes de ir embora, ele deixa uma carta endereçada à Carmen (Christiane Torloni) e a Samuca. Essa sequência deve ir ao ar nesta quarta, dia 16 de janeiro.

O Tempo Não Para: Samuca vira fera e faz promessa à Marocas

O Tempo Não Para: Samuca e Marocas em dia de “heróis”

CARMEN ALIVIADA COM CARTA DEIXADA POR LIVALDO: “ENTÃO ELE ABRIU MÃO DO PROCESSO CONTRA VOCÊ...”

Bastante preocupado com a história da nova operação da Criotec com os “congelados”, Samuca vai até o apartamento da mãe. “Agora a gente precisa conversar sobre o seu pai”, diz ela. “Ele aprontou mais alguma coisa?”, quer saber o jovem. “Ele deixou a pensão da Coronela, Samuca. E deixou isso aqui pra gente”, conta ela, ao entregar um envelope para o filho.

O empresário senta antes de abrir, e logo vê um valete (uma carta). Carmen sorri, triste. “É típico do Livaldo. Se anunciou com uma ficha de pôquer e se despediu com um valete, como o cavalheiro que ele não foi e nunca será”, constata ela. “Ele ajudou a gente no fim, mãe...”, lembra Samuca. “Com isso eu sou obrigada a concordar. Ele mandou bem na saída”, diz ela.

Samuca puxa o primeiro papel do envelope e lê. “É a patente original do adubo. Ele devolveu... (ele lê) Essa fórmula é inócua, nunca que ia dar certo”, constata o jovem. “Claro que é, sempre foi, de original só tinha o nome, e a intenção. A cara do Livaldo, fazer um barulhão por nada. E foi por onde todo esse golpe traiçoeiro e sórdido começou a ser tramado”, fala ela.

O jovem pega um outro papel que também estava no envelope. “E aqui tem uma declaração onde ele assume que a fórmula que ele criou não tem nada a ver com a que eu fiz”, diz Samuca. “Então ele abriu mão do processo contra você...”, constata Carmen. “Sim... E deixou essa carta aqui...”, mostra o empresário.

SAMUCA SOBRE PEDIDO DO PAI QUANDO NASCER O SEU PRIMEIRO COM MAROCAS: “CHAMAR ELE DE LIVALDO?”

Samuca começa a ler. “Samuel, meu filho... Eu sou um cavaleiro solitário, um homem que nasceu pra viver sozinho... Pessoas dessa natureza cedo ou tarde acabam magoando quem está ao lado, quem mais se ama. Por isso preciso partir. Peço que não tenha muita raiva de mim, e diga à sua mãe que ela foi a única mulher que amei de verdade...”, diz ele.

Em outro trecho, livaldo se despede. “Desejo que você tenha uma vida maravilhosa ao lado de Marocas... Tenha meus netos e, se possível, batize o primogênito com meu nome... Com amor, Livaldo...”. Logo, Samuca guarda tudo no mesmo envelope. “Bom, isso ele sabe fazer mesmo...”, constata o jovem. “Escrever uma carta melosa?”, pergunta Carmen.

“Aprontar um monte de besteira e depois sumir no mapa...”, ressalta Samuca. “Como você bem disse, ele nos ajudou no final... E acabou desistindo daquele processo absurdo...”, pondera empresária. “Eu vou passar esses documentos amanhã mesmo pra Vanda...”, fala Samuca. “E o seu nome vai ficar limpo de novo, como é justo... (e ela completa, irônica) Vem cá, cê vai fazer o que ele pediu com o seu primeiro filho?”, indaga Carmen.

“Chamar ele de Livaldo? Nem sonhando!”, fala ele, que dá risada junto com a mãe.



Veja Também