Nikolas Antunes: “Não creio em sorte, as coisas são construídas”

Ator festeja papéis em Espelho da Vida e conta que recebe até nudes das fãs


  • 01 de abril de 2019
Foto: Globo/João Miguel Júnior


Por Luciana Marques

Há cerca de 10 anos, o então modelo Nikolas Antunes fazia uma participação rápida em Duas Caras, como o Marcelo. Desde então, ele focou na atuação e não parou mais. De batalha em batalha, foi galgando o seu espaço e se destacou com personagens como o Firmino, em O Rebu, em 2014, e o Simão, em Liberdade, Liberdade, em 2016. “Tudo é difícil e eu não acredito em sorte, eu creio que você tem que ir construindo isso. Eu estou em mais um degrau e fico feliz”, diz.

E ele chegou a um momento importante da carreira ao se ver desafiado para viver dois personagens na elogiada Espelho da Vida, de Elizabeth Jhin, que chega hoje ao fim: o Marcelo, nos dias atuais, e o Lucas, nos anos 30. “Foi muito legal, a novela está tendo uma repercussão incrível”, conta. Aliás, bonitão, com belo par de olhos azuis, de fala ponderada, Nikolas, que namora a também atriz Fernanda Paes, diverte-se ao contar que é muito assediado por senhoras nas ruas. E que nas redes sociais, recebe até nudes.

Marcelo (Nikolas Antunes). Foto: Globo/João Miguel Júnior

Como foi viver dois personagens tão diferentes na novela?

É uma oportunidade de você diversificar o seu trabalho dentro do mesmo produto. Porque o Marcelo é completamente diferente do Lucas. O Marcelo é um cara completamente pra frente, sabe que tem grana. O Lucas é roceiro, tímido, inseguro pra caramba, mas existe uma trajetória. O Lucas começou assim e a gente foi sofisticando ele. Mas está sendo muito legal, a novela está tendo uma repercussão incrível.

O que você faria se estivesse no lugar do Marcelo e descobrisse que ele não é o pai da Pat (Débora Ozório)?

Eu penso na Patrícia, uma menina linda daquele jeito, com um caráter magnifico. Para mim, o Nikolas não mudaria nada. Eu não sei como seria a reação com a ex mulher, no caso. São 15 anos separados, mas eu não sou uma pessoa de guardar rancor, eu sou amigo de todas as minhas ex. Eu acho que seria uma pena, mas temos um presente que é a menina.

 

 

As pessoas te reconhecem nas ruas?

Sim. Eu passei por uma situação engraçada um tempo atrás, porque eu tinha acabado de acordar e estava na varanda do meu prédio, meio sonolento e de repente eu escuto um: ‘Marcelo’. Quando eu olhei para baixo, tinha uma senhorinha falando para eu não voltar para a Isabel. O legal é que normalmente o assédio não vem muito pelo meu nome, vem pelo personagem.

Esse assédio vem muito mais pelo público da terceira idade ou é mesclado?

Normalmente são as senhoras, eu não sei se é porque elas gostam da postura do Marcelo. Eu fui na Sapucaí um dia e ao lado do lugar que eu estava, tinha um camarote cheio de senhoras. Quando eu saí do negócio, foi uma gritaria de gente pedindo para fazer foto.

As redes sociais são uma loucura. Você recebe muita cantada por lá?

Recebo muita cantada, muito direct e até nudes. Eu recebo cada coisa, as pessoas são muito atiradas na internet.

Você é um cara bonitão, o que acha de ser visto como galã?

Eu acho que eu sou muito camaleão. Eu fiz O Rebu e tinha barba grande e cabelo curto, depois fiz o Dr. Germano em Malhação que era um médico careta. Fiz o Simão que era cabeludo e barbudo. Eu queria mesmo é passar a máquina zero depois disso...

Lucas (Nikolas Antunes). Foto: Globo/David Pollak

Você está em um muito bom momento na sua carreira. Como avalia isso tudo que vem acontecendo?

Eu acredito em construção. Acho que as coisas são construídas aos poucos e não existe profissão fácil, desde a menina que é diarista, até um grande executivo de um grupo de empresas. Eu estou em mais um degrau e fico feliz, mas eu vejo de forma um pouco mais estável, até porque se você fica muito feliz com algo de muito bom que te acontece, você fica muito triste quando te acontece algo ruim.

Sua vida pessoal é muito discreta. Essa é uma coisa que você sempre quis para a sua carreira?

Que bom que vocês percebem, eu tento ter uma postura que não exponha muito o meu lado pessoal para evitar julgamentos dos meus personagens. Sempre que você expõe muito a sua vida pessoal, não vão ver o Marcelo, vão ver o Nikolas.

Você parece tranquilo. Mas tem algo que te deixa mais constrangido ou bravo?

Sim, covardia. Uma vez no início do ano, eu estava correndo pela praia e tinha um senhor segurando uma moça grande, nova e negra, fiquei sabendo depois que ela tinha 13 anos. Ele estava segurando ela, ninguém entendendo e ela se debatendo. Ela foi ficando desesperada. Mas ninguém ajudava e teve uma hora que ela se soltou e correu para a água. Quando vi que ninguém iria ajudar, entrei na água e peguei ela. Ela tomou um suco e se acalmou um pouco. E aí eu fiquei sabendo que ela era dependente química, tinha sido adotada por esse casal de italianos e estava visitando o Brasil. Ela tinha tomado o remédio para dependência, mas estava tendo um surto psicótico. Tem algumas coisas que não tem como não se meter, ajudar.

A novela termina hoje, você já tem planos para novos trabalhos?

Eu iria fazer um filme e não vou mais. Mas eu vou tirar 30 dias de férias. Faz uns bons anos que não faço isso. E a partir disso vou ver o que fazer. Eu estou com muita vontade de fazer teatro, cinema…

Ana Lúcia Torre: “Tenho gastura com as palavras celebridade e diva”

Luciana Malcher, a Bendita: “Eu não levo desaforo pra casa”

Vitória Strada e o final de Cris: São vários shippers. Não opino!

Rafael Cardoso: “Acho que vai ser lindo o encontro de Cris e Daniel”

 



Veja Também