Murilo Benício, o Raul de Amor de Mãe: “Momento mais importante da minha carreira”

Ele fala do reencontro com a autora Manuela Dias na vida, da estreia do filho e de sucessos


  • 19 de dezembro de 2019
Foto: Globo/Estevam Avellar


Por Luciana Marques

*Entrevista completa disponível no vídeo, abaixo.

Com mais de 25 anos de uma sólida carreira na TV, Murilo Benício pode ser visto atualmente no ar em três grandes sucessos: a atual trama das 9, Amor de Mãe, como o Raul, no Vale a Pena Ver de Novo, em Avenida Brasil, como o Tufão, e no Viva, como os gêmeos Lucas e Diogo e o clone deles, Léo, em O Clone. “Eu acho o máximo as histórias que eu vivi, principalmente dentro da Globo”, avalia.

Mas é em seu mais novo trabalho no horário nobre que ele tem grandes motivos para comemorar. Além do personagem ser denso e cheio de nuances, ele cita o fato de voltar a trabalhar com o diretor José Villamarim, com que já fez grandes trabalhos como o remake de Irmãos Coragem, e do reencontro não só profissional, mas também na vida com a autora Manuela Dias. O dois são namorados. “A gente dividiu o palco em 1996”, lembra.

Outra alegria é que Amor de Mãe marca ainda a estreia de Antonio, da união de Murilo com Alessadra Negrini, na TV. O jovem será Vinícius, filho do personagem de Murilo com Lídia (Malu Galli), e que retornará em breve ao Brasil de uma temporada fora. A sua investida como diretor no cinema também tem rendido bons frutos. O Beijo no Asfalto, de 2018, teve excelente repercussão e abocanhou prêmios. Agora, ele prepara-se para a montagem de Pérola, baseado na peça homônima de Mauro Rasi.

Qual importância desse trabalho em Amor de Mãe para você, na sua carreira? Eu acho que eu estou há cinco anos sem fazer novela. E eu acho eu esse tempo foi bom para dar saudade e estar com pessoas que eu acredito tanto, como o Zé Luiz Villamarim (diretor). Falo que a gente dá muito sorte um ao outro, a gente já fez muito sucesso junto. Conheci o Zé no remake de Irmãos Coragem, a gente se reencontrou em Avenida Brasil, depois fizemos Amores Roubados, Nada Será como Antes... Tenho muito orgulho de todo o trabalho que  fiz com ele. E a Manu teve em cartaz comigo, ela dividiu o palco comigo, acho que em 1996, quando o Antonio, meu filho, que está fazendo a nossa novela, ficava andando no CCBB esperando a peça acabar. Então é uma amiga minha de anos que eu não via, reencontrei recentemente agora na vida. E tenho muito orgulho do que ela escreve, tem um texto sensacional. E tem o meu filho chegando para trabalhar comigo nessa novela. Então não precisa nem acontecer, que já é o momento mais importante da minha carreira.

Érica (Nanda Costa) e Raul (Murilo Benício). Foto: Globo/João Cotta

Como você definiria o Raul? Ele é extremamente bem sucedido na profissão, financeiramente, é um cara que chegou na metade da vida dele. E a outra metade é uma interrogação, ele não quer se acomodar para viver o resto da vida já programado. Eu acho que ele quer ser surpreendido. Ele sente que ele não está feliz, ele sente que todas as propriedades, tudo que ele conquistou materialmente não está dizendo mais muita coisa para ele. Ele está entendendo que o especial está nos detalhes, na simplicidade. Então ele logo conhece a Érica (Nanda Costa), e ele se apaixona por ela justamente por isso, porque ela vem de um lugar de muita simplicidade, verdade. E isso encanta muito ele, voltar a enxergar a forma simples de tudo. Mas é só o começo da história, ele vai quebrar a cara, errar, acertar, como acontece com todo o mundo. Mas o importante é que ele resolve viver de verdade. Eu acho que essa novela é muito direta, principalmente pelo tema, parece que a gente está fazendo uma novela de Janete Clair, uma coisa falando diretamente com o coração do telespectador.

Como está sendo se ver duplamente, em Amor de Mãe e também em Avenida Brasil? Eu estou impossível! Ainda me contaram que vai voltar O Clone... Eu falei, gente, eu não deveria estar nessa novela, as pessoas vão dizer, eu não aguento mais ver Murilo (risos). Ah, é muito legal, eu acho o máximo. As histórias que eu já vivi, principalmente dentro da Globo. Por mais que eu fizesse muita coisa fora da Globo, agora estou dirigindo, 80% da minha carreira foi Rede Globo. E é tão legal você trabalhar numa empresa que a gente tem tanto orgulho.

Manuela Dias, autora de Amor de Mãe: “Provocação afetiva, quero que a gente volte a olhar as pessoas”

Taís Araujo é Vitória, em Amor de Mãe: “Ser mãe é uma obsessão para ela”



Veja Também