Mineiro Walter Nunes faz balanço de sua estreia na TV em Lia

Ator, que cursa psicologia, cita sonhos e mudanças em relação à fé


  • 26 de julho de 2018
Foto: Lukas Alencar


Por Redação

Cria do teatro, aos 25 anos de idade, sendo oito de carreira, o ator Walter Nunes fez a sua estreia na TV recentemente em Lia, série especial da Record TV, como o jovem robusto e amoroso Gad, filho de Zilpa (Thais Müller) e Jacó (Theo Becker). “Foi maravilhoso trabalhar com um diretor (Juan Pablo Pires) que trouxe a proposta de fazer cinema na TV”, disse.

O fato de ser uma trama bíblica, segundo o ator, também acabou transformando a sua relação com a fé, “se colocando no compromisso de passar a mensagem de Deus para as pessoas”. Morando há oito anos no Rio, Walter já se define como o “mais carioca mineiro”, mas admite que driblar a saudade da família não é nada fácil.

Um dos seus próximos passar agora, antes de realizar sonhos como o de fazer cinema, é terminar a faculdade de psicologia.

Gad (Walter Nunes). Foto: Munir Chatack/Record TV

Como foi participar de Lia?

Só o fato de ser o meu primeiro papel na TV já foi muito instigante. Foi muito gratificante participar deste projeto, a primeira serie especial da Record, com um diretor que trouxe a proposta de fazer cinema, na TV. Sem falar que tive a felicidade de aprender com um elenco maravilhoso e generoso.

E como foi a sua preparação para viver o Gad?

A primeira coisa que fiz foi ler a Bíblia para pegar um material mais cru, sem muitas interferências. Depois assisti muitos filmes e séries para conhecer os costumes, as relações e ate modo de se comunicar. O roteiro já é muito enriquecedor, já trás muitas informações. Disso tivemos alguns encontros com o diretor para entender a visão de como ele quer contar essa historia.

Thais Müller, a Zilpa: “Sofre calada com abusos, o que acontece hoje”

Saulo Meneghetti festeja seu vilão Hananias na trama Lia

Por ser a sua estreia na TV, teve algum receio de "não segurar", bateu algum pânico, até porque o veículo TV é bem diferente do teatro, né?

Não. Não tive receio. Tive aquele frio na barriga gostoso de sempre, por ser minha estreia e por estar ao lado de profissionais excelentes, que me ajudaram muito!

Ele era descrito como um jovem "forte, robusto, amoroso e sincero", o que mais aprendeu com esse personagem?

O que mais aprendi foi a força que ele tem. O Gad é capaz de acabar com uma tropa para defender seus ideais. Ao mesmo tempo que ele é forte, ele é amoroso e companheiro com seus irmãos.

Há semelhanças entre vocês?

A semelhança que temos é a determinação. Quando coloco uma meta na minha cabeça, já era, enquanto eu não conseguir eu não sossego. (risos)

Foto: Lukas Alencar

E qual está sendo a sua impressão de fazer uma trama bíblica. Há atores que dizem que aprendem, modificam o seu modo de pensar em relação à fé. O que você pensa disso?

É incrível como modifica mesmo a nossa relação com a fé. Nos aproximamos mais da energia de Deus, e essa proximidade nos coloca no compromisso de passar a mensagem dele para as pessoas e ajudá-las de alguma forma. Acredito que é este objetivo das obras bíblicas.

Qual a sua relação com religião?

Respeito todas. Religião é muito pessoal. Acho importante ter fé, independente de religião.

Como foi a sua mudança para o Rio, passoou por algum perrengue, dificuldade em estar longe da família? Ou tudo tem acontecido de forma bacana?

Cheguei no Rio há oito anos, e minha maior dificuldade foi estar longe da minha família, porque sempre fomos muito unidos. E também existe uma enorme diferença entre cidade do interior e cidade grande. Mas hoje em dia, eu tiro de letra. Costumo dizer que sou 'o carioca mais mineiro' que existe. (risos)

Por que fazer psicologia, seria um plano "B" para as artes, ou é uma questão de autoconhecimento, de saber lidar melhor com o outro?

Não, nunca foi um plano 'B'. Sempre gostei de Psicologia, pelos papos que sempre tive com a minha irmã, que é psicóloga. E ai fui descobrindo o que a psicologia podia contribuir para o meu crescimento pessoal e profissional. Hoje eu vejo como ela é importante nesta minha profissão. Conhecer os diferentes tipos de personalidades e o modo como se relacionam me ajuda a criar os meus personagens. Agora é terminar o meu TCC para formar.

Quais os seus sonhos na carreira?

Estar trabalhando sempre, seja na TV, no Teatro. E tenho um grande sonho de fazer muito cinema!
 



Veja Também