Mel Fronckowiak: “Somos julgados sempre... Quero me divertir”

Apresentadora, mãe de Nina, com Rodrigo Santoro, cita desafios no Show dos Famosos


  • 21 de abril de 2019
Foto: Globo/João Cotta


Por Luciana Marques

*Entrevista disponível também em vídeo, abaixo. 

Apresentadora dos programas Destino Certo, do Mais Globosat, e Troca de Estilos, no Discovery Home & Health, Mel Fronckowiak define a participação no Show dos Famosos, do Domingão do Faustão, como um “colorido a mais” na sua carreira. “É incrível, um desafio você poder ser quem você quiser no palco do maior programa do Brasil, com toda aquela equipe e qualidade”, diz.

Segundo Mel o seu maior desafio será cantar, já que desde o fim do grupo Rebelde, formado a partir do novela homônima, de 2011, na Record, ela não trabalha com música. Mas a apresentadora diz qual o seu maior propósito na atração: “Eu quero me divertir, com muito respeito ao público e ao programa”, ressalta ela, que diz ter tido o maior apoio do marido, o ator Rodrigo Santoro, com quem tem Nina, de 1 ano.

Mel homenageia Celly Campello na estreia do quadro. Foto: Reproudução/Globo

Como você lida com a questão de ser julgada?

A gente é julgada o tempo inteiro, só que eventualmente a gente não sabe as notas que as pessoas nos dão. O julgamento faz parte de existir, as pessoas vão olhar para você, vão achar alguma coisa e vão julgar. Nesse caso é um programa que tem isso. O que eu percebo assistindo às outras temporadas é que a competição existe porque ela é necessária, porque o quadro é assim. Mas no dia a dia passa muito batido, porque você está ali fazendo uma homenagem, não tem eliminação, tem uma somatória de notas e eu sinceramente não estou preocupada com isso. Eu vou me divertir, com muito respeito ao público e ao programa. A competição é só um detalhe, primeiro que quando eu sou analisada, eu acho que aprendi com a vida a lidar de uma forma saudável com isso. Mas eu realmente não estou olhando para isso nesse quadro.

Você é mãe da Nina, de 1 ano, dona de casa, esposa, sua família viaja muito também por conta dos trabalhos do Rodrigo, você apresenta dois programas... Como faz para conciliar tudo isso?

É o equilibrismo de todas as mulheres. De todas as pessoas, porque os homens também se equilibram em serem pais e serem esposos, profissionais. Eu digo que a maternidade é a profissão que remunera melhor. Eu não quero outra, nenhuma profissão remunera tão bem quanto a maternidade. Mas para que você possa exercer bem esse papel, você também precisa de outros, então eu deixo a minha filha com o coração muito partido, mas também sabendo que eu volto para ela melhor. Porque eu me realizo pessoalmente. E a gente vai fazendo esse malabarismo, a nossa vida tem essa dinâmica de muitas viagens. Mas quando a gente faz as coisas com amor, elas parecem difíceis, mas nem são tanto. Você ajusta aqui, cede dali e tudo dá certo.

Agora vocês ficarão mais tempo no Brasil?

Na verdade, a gente não mora fora. A gente fica temporadas fora e temporadas aqui. E justamente o período do quadro é uma temporada que estaremos mais aqui no Brasil, por isso foi possível aceitar o convite.

Você recebeu todo o apoio do Santoro para participar?

Sim. A gente é um casal, e os casais esão ali um para o outro. E a gente está aqui um para o outro, com certeza.

Como foi a sua escolha dos homenageados?

Parece que é fácil, mas não... Você chega com a lista dos cantores que você quer fazer, mas tem toda uma questão. É uma edição de um quadro em que outras pessoas já fizeram outros cantores, então o ideal é que você não repita. Essas pessoas já foram julgadas, avaliadas pelos mesmos jurados e você não vai querer essa comparação. Tem também aquilo que você consegue chegar dentro do seu tom de voz, você tem que fazer uma escolha consciente. Eu acabei fazendo uma salada de frutas e acabei escolhendo algumas músicas que marcaram momentos da minha vida, que me trazem boas lembranças. A música te faz voltar no tempo e te lembra momentos maravilhosos que você viveu. Eu fiz escolhas muito afetivas.

Foto: Globo/João Cotta

O maior desafio para você é cantar?

Para mim sim, sem dúvidas. Claro que tem toda a parte de você fazer os gestos, o corpo dos homenageados, e isso não é fácil, mas o maior desafio para mim é cantar. Eu não sou cantora e faz um tempo que eu não trabalho cantando, então eu tenho enlouquecido as pessoas a minha volta com os exercícios de voz para fortalecer a musculatura. Eu espero que valha a pena.

Você acha que vai ser um degrau a mais na sua carreira?

Eu estava falando sobre isso quando eles me convidaram, e eu achei legal. Porque é incrível essa oportunidade de poder ser quem você quiser, no palco do maior programa do Brasil, com toda essa qualidade, toda essa equipe. Não penso que vai ser um degrau acima, eu acho que vai ser uma nova cor. É um desafio, eu estou com expectativa, um pouco nervosa, mas muito feliz.

 

 

Hugo Bonemer: “Se contarem que chorei com convite, vou desmentir"

Diogo Nogueira: “Se um desafio me interessa, pulo no escuro”



Veja Também