Marina Moschen sobre o casal "Dilari": “História linda”

Patricinha de Verão 90, ela será par de Sergio Malheiros, que vive jovem de classe inferior


  • 09 de fevereiro de 2019
Foto: Globo/César Alves


Por Redação

Desde a estreia na Globo como a protagonista Luciana, de Malhação, Marina Moschen vem marcando seu espaço a cada novo trabalho. Mal entrou agora em Verão 90, o público já está torcendo para que a sua patricinha Larissa comece logo o envolvimenro amoroso com Diego, papel de Sergio Malheiros

E já existe até shipper: #Dilari. A relação deve chamar a atenção do público porque os dois são oriundos de classes sociais muito diferentes. Eles vão se conhecer na faculdade. Cansado de ser confundido com trombadinha, o rapaz vai cursar direito e lutar contra o racismo. “Vai mostrar ela experimentando todos os preconceitos que ele sofre no mundo dela”, conta a atriz.

Larissa (Marina Moschen). Foto: Globo/João Cotta

O que você sabia sobre os anos 90?

Eu não vivi essa fase, nasci em 1996. E só a partir dos anos 2000 que eu começo a ter uma lembrança das coisa, porque aí eu já tinha uns quatro anos. Mas mesmo não tendo vivido, muitas coisas da minha infância minha família trouxE daquela época. Então é um momento muito nostálgico para todo o mundo, seja para quem viveu, e quem de certa forma teve isso por herança. Todas as músicas, vários objetos que tinha na minha casa, eu estou vendo agora na novela e estou lembrando.

Verão 90: Diego e Larissa se estranham em novo encontro

Flávio Tolezani sobre os anos 90: “As coisas tinham o seu tempo”

O que mais chamou a sua atenção daquela época?

O fato de não usar o celular é muito diferente. Hoje em dia a gente está com o aparelho na mão o dia todo. Tem essa diferença de ser um telefone fixo, a comunicação com outra pessoa é um pouco mais difícil. Para ver televisão a gente tem que levantar, ligar, sentar de novo, tem alguns hábitos que a gente tem que ter na gravação, e que hoje em dia a gente já perdeu. E tem que lutar para conseguir fazer isso de uma forma orgânica. Mas é muito gostoso também porque a gente experimenta algo que era muito recente e que em muito pouco tempo gente já mudou.

Diego (Sergio Malheiros) e Larissa (Marina Moschen). Foto: Globo/João Cotta

Como você definiria a Larissa

Ela tem cerca de 21 anos, e é uma patricinha dos anos 90. Tem uma família muito rica que mora em Brasília, e ela mora no rio com o irmão, o Candé (Kayky Brito). E ela é noiva do Quinzinho (Caio Paduan), um playboy da época. Só que é um relação que virou quase uma relaçãode amizade. Eles estão noivos mais para agradar a família do que pelo fato de se amarem. E no decorrer da história ela se apaixona pelo Diego. E eles vivem uma história de amor que será contada mais para a frente.

Ele é um menino de classe social pobre, mas que vai fazer faculdade de direito. Como vai ser isso da diferença de classe social na relação?

Eles estudam na mesma faculdade, vão se conhecendo melhor, se gostando, e a história dos dois é muito linda por conta disso. Mostra ela experimentando um pouco do mundo dele e todos os preconceitos que ele sofre no mundo dela. Acho que isso vai ser construído no decorrer da história, a gente ainda não recebeu muito o desenvolver dessa trama, mas já está se encaminhando esse início. E está sendo com bastante cuidado, vai ser uma relação bem bacana dos dois.

Foto: Globo/Paulo Belote

E a família dela vai estar na história?

Tem o nosso cenário, da Larissa e do Candé, eles são jovens que vieram para trabalhar, e em algum momento vão chegar os pais para essa casa no Rio.

Fale um pouco sobre o figurino da Larissa...

Ela é uma patricinha, então ela usa muito meia-calça, sapatilha, tem uma roupa quase tampada, blusa social. E o cabelo dela é bem anos 90, escovado e cheio.

E como está sendo o convívio de todos nos bastidores?

Muito gostoso. É uma novela incrível, divertida, gostosa de fazer. A gente vem, faz e se diverte ao mesmo tempo, porque é uma trama com muita música, que as pessoas são mais agitadas em cena, aí você tem a cidade cenográfica que é como se fosse o Leblon. Então você se sente quase passeando quando está gravando, você não se sente no set. É tudo muito verdadeiro e muito bacana.

Jeniffer Nascimento lembra ídolos, leveza e alto astral dos anos 90

Rafael Vitti, a “cara dos anos 90”: “Quase vivo sem tecnologia”

 



Veja Também