Mariano Junior, o Sávio de A Dona do Pedaço: Beleza a serviço da arte

Mister Brasil 2015, ator e modelo fala da paixão por livros e lembra batalha até conseguir seu espaço na carreira


  • 23 de outubro de 2019
Foto: Marcio Farias


Mariano Jr. vem chamando a atenção do público, principalmente o feminino, com sua beleza e boa forma, como o garçom Sávio de A Dona do Pedaço. Mas engana-se redondamente quem pensa que o ator de 32 anos é apenas um rosto e um corpo bonito. A beleza, é claro, lhe ajudou a abrir portas. Afinal, após vencer o título de Mister Paraná, em 2014, e Mister Brasil, em 2015, ele começou a carreira como modelo.

Mas só deu certo na segunda tentativa, aos 21 anos, a convite de uma grande agência de São Paulo. Na primeira, aos 16, não aconteceu pela dificuldade financeira. Mariano chegou a trabalhar como garçom e barman para conseguir pagar os estudos. Entre os cursos e workshops, passou pelas escolas de Fernando Leal, Cininha de Paula, Jayme Monjardim, Miguel Rodrigues, Escola de Atores Wolf Maya e Projeto Grandes Mestres.

Sua entrada na Globo foi através da trama Carcereiros. Depois disso, fez uma participação nas séries Rio Heroes, da Fox Premium, e PSI, da HBO. Ele também trabalhou no longa-metragem O Incompatível, uma comédia com Gabriel Louchard e Giovanna Lancellotti, que ainda não estreou.

Mariano conta ainda, com orgulho, que já vem "flertando" com a emissora há algum tempo. Mas só agora as coisas aconteceram, ainda mais com um personagem escrito especialmente para ele por Walcyr Carrasco, autor da trama das 9. "Ouvir que o autor gostou tanto do meu teste, que quis escrever um personagem para mim, é muito gratificante".

Sabrina (Carol Garcia) e Sávio (Mariano Jr.). Foto: Reprodução Globo

Como foi o processo de entrada na Globo, até conseguir o papel de Sávio em A Dona do Pedaço? Desde que eu comecei a estudar teatro, em São Paulo, a Globo já me reconheceu como alguém que poderia fazer parte do seu casting. Mas eu precisava de mais embasamento. Eles reconheceram que o meu rosto interessaria a eles, desde que eu conseguisse segurar a onda na hora do ação. Viemos nesse flerte durante um tempo e depois de 10 anos de estudos, batalhando, fazendo trabalhos no teatro, conseguimos. Meu primeiro trabalho foi em Carcereiros, até que me chamaram para o teste para a novela. Eu fiz o teste para o personal trainer, que hoje quem faz é o Thiago Tomé. E quando o Walcyr viu o meu teste gostou demais e quis me dar uma oportunidade. Então, ele escreveu esse personagem para mim.  

De garçom a amante golpista. O que você acha do rumo que seu personagem está tomando? Na verdade, esse garçom sempre foi meio malandro. Desde a primeira cena com a Suely Franco e o Ary Fontoura: os dois foram lá jantar e o Sávio já olha para o decote da personagem da Suely, que é uma senhora. Depois, ele flerta com a Britney (Glamour Garcia), depois com o Agno (Malvido Salvador). Ou seja, ele sempre foi meio golpista, queria achar alguém para tirar ele dali. Ele estava trabalhando, mas sabia que uma hora ou outra, alguém ia cair na conversa dele. E foi o que aconteceu com a Sabrina (Carol Garcia). Agora, ele deve dar uma segurada na onda, principalmente porque eu acho que ele está desenvolvendo um sentimento pela Sabrina.

Foto: Marcio Farias

Vendo suas redes sociais, dá para perceber que gosta muito de literatura. Como é a sua relação com os livros? Eu sou um amante da literatura. Desde que eu entendi o que é ser artista, a literatura faz parte da minha vida diariamente. Eu gosto de ler grandes nomes da literatura, influências literárias do mundo. Quero saber quem foram as pessoas que inflluenciaram onde estamos hoje. Literatura é algo de que o mundo precisa e eu amo de paixão. Sem livro, eu sou até uma pessoa mais revoltada. 

Como concilia a ponte aérea, gravando no Rio e com a família em São Paulo? Eu concilio muito bem. Sou bem tranquilo com relação a isso. A maior dificuldade é meu filho pequeno, que está com um ano e um mês agora. São muitas mudanças que acontecem rápido e você acaba perdendo pequenos passos disso. Mas, quando estou em casa, tento aproveitar ao máximo. Faço algumas ligações de vídeo todos os dias. Foi o ofício que escolhi e, graças a Deus, estou conseguindo viver dele. Não pretendo trazer a família para o Rio não. Acho o Rio maravilhoso, amo esportes radicais e acho que, principalmente neste ponto, o lifestyle do Rio é muito bom. Mas também amo São Paulo. É muito visceral, transpira arte, tem museus e um teatro a cada esquina. Se eu me estabelecer muito bem financeiramente, posso até ter uma residência no Rio, mas amo morar em São Paulo.

Quem são as suas inspirações? Profissionalmente, me inspiro em alguns atores old school, que contribuíram muito cinematograficamente. Sou um grande admirador do Marlon Brando, para mim ele é uma grande inspiração. O trabalho que esse cara fez, o que ele contribuiu para a arte, é inenarrável. Sou fã do de Robert de Niro, e de alguns da atualidade: Joaquin Phoenix, que está incrível como o Coringa. Nacional, conheço uma galera fantástica. Temos a nossa diva do teatro, a Fernanda (Montenegro). Também tem uma galera mais moderna: sou fã de Wagner (Moura), de Selton (Mello), de Lázaro Ramos. Eles também fazem um trabalho brilhante. Marquinhos Palmeira, que está na novela comigo. Ele é um grande profissional. A Ju (Juliana Paes) também faz um trabalho lindo, a Paolla (Oliveira)... Tem muita gente boa em quem se inspirar. Pessoalmente, é meu pai e minha mãe. Ele são a minha base, a minha criação, tudo o que eu tenho de conhecimento. É referência de vida. Na literatura, me inspiro em Saramago, Kafka, Neruda, Graciliano Ramos, Miguel Cervantes...aí são muitos, porque a literatura me inspira muito.

Você se identifica mais com teatro, cinema ou televisão? As três experiências foram muito agradáveis. É uma pergunta muito difícil. Eu tenho gostado muito do formato de televisão, é indústria, por isso um processo muito rápido. A construção do personagem é um pouco mais rasa, porque você não pode se aprofundar tanto. Mas séries e cinema são paixões de anos. Eu diria que a minha primeira paixão foi o cinema. Agora, com essas plataformas de streaming, apareceram as séries. É difícil, mas acho que a minha maior paixão seja o cinema, embora também goste muito do teatro. 

Foto: Marcio Farias

O que faz para manter a forma? Eu sou um cara apaixonado por esportes. E tenho um grande apreço pelo físico desde muito pequeno. Treino, não pela obrigação de manter a forma. Venho da área de moda e o modelo tem que estar sempre bem. Mas sempre gostei. Treino diariamente. Não vivo de dieta, mas vivo com uma alimentação regrada. Além disso, surfo, luto jiu-jitsu, faço boxe, já fiz uma luta de MMA. 

Você começou a carreira como modelo. Pretende continuar a fazer trabalhos de moda ao mesmo tempo em que atua? Sim, porque acredito que a moda também é uma forma de arte, além de me permitir aumentar a minha renda. Pode até ser que eu chegue a um nível de reconhecimento profissional que eu possa ficar focado apenas na interpretação. Mas, enquanto eu não chego a esse nível, devo fazer sim. Até porque é um trabalho que eu gosto muito. 

Quais são seus próximos passos depois de A Dona do Pedaço? A obra vai até o final de novembro. A partir daí, devo voltar para São Paulo, continuar meus estudos. Acabei um curso de cinema agora, onde estudei Tarantino. Vou fazer um curso, ainda durante as gravações, do Kulbric. Mas ainda não estou com nenhuma proposta profissional, também não estou com nenhuma busca insana. Quando entro em uma obra, ela vira o meu foco no momento, para não dividir energia. Quando ela acabar, acredito que eu dê uma descansada no final do ano e vou aguardar o que vem.. Mas vou tentar ficar no teatro, porque tenho feito muito audiovisual nos últimos dois anos. Estou com uma saudade imensa de estar no palco.

Agatha Moreira: “Pra mim, Jô não tem conserto, é incapaz de amar e de sentir empatia”

Pedro Carvalho: “Vejo Abel como ferramenta para educar contra o preconceito”



Veja Também