Marcos Palmeira: “Falam, reage Amadeu, corre atrás dessa mulher”

Ator festeja sucesso da trama das 9 e vê personagem mais ativo para lutar pelo amor de Maria da Paz


  • 05 de setembro de 2019
Foto: Globo/João Miguel Junior


Por Luciana Marques

No ar como o Amadeu, de A Dona do Pedaço, Marcos Palmeira continua firme no seleto grupo de galãs dos folhetins nacionais. Ele só pondera que na trama atual das 9, essa “força” está em Maria da Paz (Juliana Paes). Mas brinca que a família curte o rótulo pelos seus vários mocinhos na carreira. “Minha mãe (Vera de Paula) fica orgulhosíssima de eu estar com 56 anos e ainda fazer papel de galã”, diverte-se.

Já em se tratando da nova fase de A Dona do Pedaço a partir do capítulo 100, Palmeira conta que, assim como o público, se surpreende e vibra com as reviravoltas de Walcyr Carrasco na história. Sem poder dar spoiller, o ator diz que Amadeu deve surgir agora mais ativo, tanto para lugar por seu grande amor, quanto para confrontar com Jô (Agatha Moreira). A torcida dele, claro, é que o personagem tenha um finalmente paz com Maria da Paz.

Além da trama das 9, Palmeira pode ser visto na nova série original do Globoplay A Divisão. Nos cinemas, ele aguarda os lançamentos de Boca de Ouro, Cidade do Medo e Barulho da Noite.

Como deve ficar nessa nova fase a relação do Amadeu com a Maria da Paz? Agora que a Gilda (Heloísa Jorge) morreu, o romance tinha tudo pra deslanchar… Mas o filho dele, o Carlito (João Gabriel D’Aleluia) começa a criar problema. São vários percalços, mas eu espero que eles acabem juntos no final. Afinal de contas, ele se dedicou a ela, de alguma forma, o tempo todo. E ela também.

Maria a Paz (Juliana Paes) e Amadeu (Marcos Palmeira). Foto: Globo/João Miguel Junior

Como você acha que o Amadeu vai levar essa questão do filho ser contra o romance com a Maria? Então, aqui eu posso dar um spoiler de leve... O Amadeu vai ter um encontro com a Maria da Paz, jogar ela na parede (pra retomarem a relação). Ela vai mencionar o filho dele, e o Amadeu responderá: ‘meu filho é só uma criança’. Como quem diz, ‘o garoto eu controlo, eu vou cuidar’. E a Maria responde: ‘mas ele é uma criança que pensa, que sofre; vamos dar um tempo pra ele, eu vou conquistá-lo’. Ele vai voltar nessa linha.

O que você mais tem ouvido sobre o personagem nas ruas, na internet? Às vezes cobram muito uma reação dele. Falam, reage, pega essa mulher. Porque o Amadeu é um cara de bom coração, né? Como está escrito na sinopse. Ele é o cara que foi estudar Direito pra fugir dessa briga entre os Ramirez e os Matheus. Aí a mulher ficou doente e ele teve um respeito enorme pela doença da Gilda, mesmo não a amando mais… Mas eu estou muito feliz, adorando fazer a novela. Ela está acontecendo como a gente imaginava, com um clima muito bom nas gravações. E o público está acompanhando esse grande drama, com essa vilania enorme… Quem é a mais malvada? A Fabiana (Nathalia Dill) ou a Josiane (Agatha Moreira), e elas são primas. É uma trama que resgata o comentário durante a novela. Eu mesmo volta e meia me pego dizendo: ‘Ah, não é possível que vai acontecer isso!’.

Amadeu (Marcos Palmeira) e Maria da Paz (Juliana Paes) na primeira fase da trama. Foto: Globo/João Miguel Junior

E essa possibilidade de a Joana (Bruna Hamú) ser a verdadeira filha da Maria da Paz com o Amadeu? Será que é mesmo? Tem uma trama que o Walcyr ainda está guardando e que deve colocar ainda mais lenha nessa fogueira. Será que a Josiane é minha filha de verdade? Eu não sei. Eu acho que ela tem o sangue dos Matheus ali, nas atitudes dela. Mas, pra saber, só mesmo entrando na cabeça do Walcyr Carrasco…  Vai ter tanta ideia assim... A cada semana uma coisa diferente, sempre com ganchos incríveis.

O que você deseja pra Jô e pro Amadeu no final da novela? Pra Jô, que ela pague tudo o que ela fez ou tenha uma redenção enorme, como foi o caso do Régis (Reynaldo Gianecchini). É incrível, né? De repente o cara virou um santo de tão bonzinho. Quer enganar quem, rapaz? (risos) Mas então… Que ela pague mesmo. É muita maldade, não pode sair impune. E para o Amadeu eu espero que ele tenha paz, ao lado da Maria da Paz. Porque, quanta complicação, não? Mas eu acho que vai dar tudo certo.

Muita gente diz que sente falta do Amadeu dos primeiros capítulos da novela. Você sente essa cobrança por parte do público? É o que eu te disse. Eu não tenho nenhum compromisso com o Walcyr. Eu não fico criticando ou fazendo nenhum tipo de julgamento. Entendo que serve à história que ele fique um pouco passivo e um pouco à margem. Eu sei que as pessoas sentem falta (do antigo Amadeu). Ele entrou com uma força, tinha aquela coisa mais rural também… Eu acho que o Walcyr precisa contar a história de todo mundo. Eu prefiro pensar que eu estou servindo a uma história, entendeu? E fico feliz de as pessoas sentirem falta. Isso para o meu ego é muito bom. Realmente os mocinhos das novelas são personagens mais complicados, mas eu gosto de fazer também. É claro que a vilania é sempre mais rica... E essa coisa do mal que se transforma no bem também tem uma força muito grande, como no papel do Gianecchini. O povo gosta. Mas agora a ideia é que o Amadeu venha com mais ‘pressão’. Pode ser que, lá pro final, ele ganhe mais força também. Acho que ele vai ficar mais ativo daqui pra frente, no sentido de resolver as coisas. Vai confrontar mais a filha, vai sair desse lugar tão passivo.

Você sempre fez muitos protagonistas... O tempo passa, mas você ainda é apontado como galã. A que atribui isso? Eu não sei… Será que está faltando galã por aí? (risos) Eu fiz vários mocinhos. Apesar que, em Porto dos Milagres (2001), meu personagem tinha uma outra força. Em A Dona do Pedaço, realmente a força está na ‘dona do pedaço’ (Maria da Paz), a gente tem que servir pra que ela seja essa figura. Minha mãe (Vera de Paula) fica orgulhosíssima de eu estar com 56 anos e ainda fazer papel de galã (risos). Mas realmente não sei dizer o porquê disso.

 

A Dona do Pedaço: Rock garante que com seu “charme” conquistará Joana

A Dona do Pedaço: Fabiana treme diante de justiceiro



Veja Também