Kaysar Dadour: “O refugiado é um ser humano como qualquer outro”

Ex-BBB vibra com estreia e exalta mensagem sobre empatia de Órfãos da Terra


  • 19 de março de 2019
Foto: Globo/Selmy Yassuda


Por Luciana Marques

*Entrevista também disponível em vídeo, abaixo.

Há cerca de um ano, quando foi vice-campeão do reality BBB 18, a vida do sírio Kaysar Dadour, de 29 anos, mudaria da água para o vinho. Atualmente, ele faz parte do elenco de Órfãos da Terra, trama das 6 que marca a sua estreia em novelas. “Primeira coisa, sou grato a Deus. E a minha família é o Brasil”, diz ele. Sua história com o nosso país começou em 2014 quando foi recebido na casa de primos em Curitiba.

Na ocasião, ele deixara a Ucrânia, onde vivia desde os 20 anos fugido do país natal para não se alistar no exército e escapar da guerra. Após cinco anos difíceis lá, certo dia acabou espancado por uma gangue nacionalista após descobrirem que ele era sírio e cristão. Já aqui no Brasil, estudou, trabalhou de garçom e em festas infantis, até entrar no BBB. “Tudo valeu a pena”, garante.

Como a questão dos refugiados é o pano de fundo na história da novela das 6, que estreia em 2 de abril, Kaysar conta que chegou a passar mal quando gravou no cenário do campo de refugiados. Mas para ele, que na trama dará vida a Fauze, capanga do sheik, o que vale mais do que tudo é a mensagem de empatia que as autoras Duca Rachid e Thelma Guedes querem passar com o folhetim.

Fauze (Kaysar Dadour). Foto: Globo/Paulo Belote

Em um ano sua vida mudou completamente. Como você vê isso tudo?

Uma mudança grande na minha vida. Síria, Ucrânia, Brasil. Ano passado graças a Deus consegui entrar no BBB, tirei o segundo lugar e começou uma mudança grande desde aí. Consegui depois trazer minha família, agora estou na novela, tambem participei de Carcereiros, estou muito feliz! Bem animado!

E essa trama da novela tem a ver com a sua história, a sua vida. Fale um pouco disso...

É uma história bem real, tudo o que acontece na novela é real. Lá na Síria, claro, é bem pior. Mas a novela vai passar uma mensagem bonita para as pessoas entenderem um pouquinho sobre a vida dos refugiados. E eu quero dizer que o refugiado é um ser humano como qualquer outra pessoa no mundo. E o objetivo dele não é estragar o país dos outros. Infelizmente, ele deixou o país dele por causa da guerra e está procurando uma vida melhor para ele, a família, onde tenha paz e amor. E a palavra-chave dessa novela é empatia.

 

 

E como foi reviver um pouco disso tudo que você passou vendo os cenários, lendo o início dessa história?

Quando entrei no campo de refugiados pela primeira vez fiquei três dias com dor de cabeça, de verdade. Eu pensei que nunca ia ver aquilo de novo, de repente volta tudo, só que de uma maneira diferente. Volta como mensagem para mostrar aos outros. Fiquei feliz, a novela está mexendo muito comigo.

Fale um pouco do seu personagem?

Não sou um refugiado, faço o capanga mais fiel do sheik Aziz. Ele faz tudo o que sheik manda. Ele não é bonzinho, só enxerga a verdade, a realidade do sheik dele.

Como foi a preparação?

Estou estudando bastante, fazendo várias aulas, workshop, fazendo fono também. E sou muito grato por esta oportunidade. Fiz um teste e consegui passar. Agora tem que estudar mais e mais. E o elenco, direção, produção, são maravilhosos. Todos estão me ajudando muito.

Como você descobriu o kaysar ator?

Eu queria estudar para ser ator, porque nunca tinha tido oportunidade. E quando sai do BBB aconteceram várias coisas.

Kaysar com os pais e a irmã. Foto: Reprodução Instagram

Tem um estigma de ex-BBB, de que poucos conseguiram seguir na carreira artística. Mas pelo o que vimos nas chamadas, estão elogiando o seu trabalho...

Cada vez que alguém me critica, eu fico mais forte. Qualquer coisa. Você me critica, está me ajudando, porque é bom. Se todo o mundo disser está ótimo, maravilhoso, lindo, e aí? No que vou melhorar, não tem nada para melhorar. E quando tem crítica, você melhora.

O kaysar de um ano atrás imaginava o Kaysar de hoje?

Na verdade, a gente aprende com o passado e fica sonhando com o futuro. Eu aprendi com o meu passado, fui grato quando consegui entrar no BBB, foi uma mudança maravilhosa na minha vida. Porque o BBB abriu várias portas para mim, consegui muito trabalho e consegui trazer a minha família.

Como está a adaptação da sua família aqui?

Eles estão muito felizes. Minha irmã está estudando português. Meu pai até emagreceu, porque ele está passeando todo o dia na rua. Minha mãe é mais caseira, gosta de cozinha.

Que conselho você daria a um BBB?

Aproveita! Porque só tem uma chance para você estar lá. Aproveita até o final, desejo boa sorte a todos.

Julia Dalavia sobre o amor de Laila e Jamil: “Puro, inocente”

Alice Wegmann, a Dalila, de Órfãos da Terra: “Vilã de mão cheia”

Lançamento de Órfãos da Terra mostra celebração de culturas

 

 



Veja Também