Júlia Svacínna vive autista: “É preciso conhecer, aceitar, respeitar”

Atriz fala do papel na nova temporada de O Mecanismo e da participação no longa Kardec


  • 29 de maio de 2019
Foto: Divulgação


Pouco tempo após viver a Vera Lúcia, filha do prefeito Adriano (Murilo Benício) e da primeira-dama Isabel (Débora Falabella), na minissérie Se Eu Fechar Os Olhos Agora, Júlia Svacínna já pode ser vista em um novo trabalho na TV.

Ela está no elenco da segunda temporada da série O Mecanismo, da Netflix, já no ar. Na trama, ela dá vida à Beta, uma menina autista, filha do personagem do Selton Mello.

“Eu li que são mais de dois milhões de brasileiros com autismo. Eu mesma convivia com um e nem sabia... As pessoas precisam conhecer, aceitar, respeitar e, mais do que isso, dar amor e ajudar quando for possível. Por isso, acho muito importante uma série que passa em 190 países abordar um tema como este. Vamos no mínimo refletir sobre ele”, diz a jovem.

JÚLIA SOBRE PARTICIPAÇÃO NO LONGA KARDEC: “COMO TODO BOM DESAFIO, TROUXE MUITOS APRENDIZADOS”

Com apenas 14 anos, Júlia já tem um currículo de importantes trabalhos, mais de 15. Na TV, fez Império, Além do Tempo e a série A Cara do Pai, entre outros. No cinema, atuou nos longas A Menina Índigo, O vendedor de Sonhos e Um tio quase perfeito.

Seu mais recente trabalho na telona acabou de ser lançado nos cinemas: o filme Kardec. Com direção de Wagner de Assis, o longa é baseado na biografia escrita por Marcel Souto Maior, e conta a história do educador francês que codifica a doutrina espírita.

Júlia fala com entusiasmo da participação no trabalho como a Caroline. “Foi um super desafio interpretar uma médium, mas como todo bom desafio, trouxe muitos aprendizados. Amei poder conhecer mais de perto a história de Allan Kardec, que vai muito além de religião, mostra muito sobre a fé e razão”, conta.

A atriz também exalta o trabalho primoroso de toda a produção. “Foi incrível estar envolvida em uma atmosfera de tempos passados, desde o figurino à cenografia. Era tudo impecável, o que com certeza ajudou muito para viver uma adolescente de 1850”, garante ela, que também canta, e mantém canal no YouTube, com quase 300 mil inscritos.

 

 

Thainá Duarte sobre morte de Anita: “Cena pesada de gravar”

Eike Duarte, o Antônio: “Maior projeto da minha carreira”



Veja Também