José Condessa, o Juan: “Ele vai atrás do amor que tem pela Luna até o final”

Em sua estreia no Brasil, português admite ser tão romântico como o personagem de Salve-se Quem Puder


  • 07 de março de 2020
Foto: Globo/João Miguel Junior


Por Luciana Marques

Cria do teatro, somente há cerca de cinco anos, José Condessa começou a fazer novelas em Portugal, sua terra natal. E logo começou a se destacar, tento participado de 9 tramas importantes em seu país. E, agora, com apenas 22 anos, ele estreia na TV no Brasil, como o Juan de Salve-se Quem Puder. “Sempre sonhei, claro, em trabalhar fora do meu país, principalmente na Globo, uma referência mundial em novelas. Mas nunca pensei que fosse tão rápido”, avalia ele.

Simpático e dono de uma beleza ímpar, de cara, o ator conquistou os colegas de novela e a equipe. Já na trama, Condessa conta que Juan não vai desistir tão fácil de seu grande amor, Luna (Juliana Paiva). “Ele lutará até o final”, conta. Tanto que, em breve, o personagem deve deixar o México e vir para o Brasil com Mario (Murilo Rosa), para botar mais tempero ainda no núcleo de Luna e de Helena (Flávia Alessandra). E sobre semelhanças com o mexicano, ele aponta o romantismo.

Juan (José Condessa). Foto: Globo/João Miguel Junior

O que tem instigado mais você neste trabalho? Acho que é a cultura mexicana. A responsabilidade de ter que trazer uma outra forma de ver o mundo que os mexicanos têm, principalmente sobre a morte. A relação que eles têm com a tragédia, que é uma passagem para o outro mundo, que é levada com felicidade. E logo isso transforma a cultura toda. Eles são muito regidos pela comida, pela música, pela natureza também. A responsabilidade de trazer esse Juan para cá é muito grande, porque eu não sou mexicano, eu sou português. E estar construindo esse personagem com base na imaginação e no que eu procurei também, tem sido maravilhoso.

Como você definiria o Juan? Ele é movido pelo amor, pelo amor que ele tem pela Luna pelo pai dela, o Mario (Murilo Rosa). Eles são quase a família dele no México. Nós gravamos imagens lindas em Cancún, e nesse tempo lá, a gente foi sentindo qual era o caminho do personagem. A alegria que eles têm, todos são alegres, com o peito para fora, tudo regido pela natureza, o sol, o mar. Eu acho que foi isso que a gente procurou para construir uma cultura mexicana com base na música, na alegria, no povo. E é um cara que vai atrás do amor que tem pela Luna até o final, até parecer impossível continuar lutando, ele vai continuar.

Há semelhanças entre você e o personagem? O Juan e o José são parecidos em alguns aspectos e muito diferentes em outros. Eu acho que o lado romântico eu tenho muito presente em mim também. Organizar surpresas, eu ainda não apareci com um cavalo na praia como o Juan. Mas já fiz jantares, flor de cartas, sou bem romântico. E gosto do romantismo na relação também. E algo bem diferente é que o Juan sabe cantar e eu não, é um grande desafio.

Luna (Juliana Paiva) e Juan (José Condessa). Foto: Globo/João Miguel Junior

Era um sonho atuar no Brasil? Eu fiz toda a minha formação em teatro. Comecei a trabalhar em novela há pouco tempo, uns cinco anos.  Claro que eu sempre sonhei em trabalhar fora do meu país, principalmente na Globo, que é uma referência mundial. Mas nunca pensei que fosse tão rápido, que com 22 anos eu pudesse estar trabalhando na Globo com um personagem tão bom, muito generoso da parte do Daniel (Ortiz – autor). Parece tudo ainda meio um sonho, não bem real, mas eu estou tentando aproveitar ao máximo, agarrar com unhas e dentes. E tentar que seja o primeiro de muitos projetos aqui no Brasil.

E como você foi recebido pela equipe? Toda a equipe, não só o elenco, estão sendo a minha família aqui. As pessoas que eu conheço, com quem eu estou todo o dia, que eu trabalho. As amizades foram crescendo aqui e graças a eles eu não fico abandonado aqui (risos). Claro que já fiz amizades fora, no futebol, que eu amor futebol, alguns portugueses que estão aqui também. Só tenho a agradecer a forma com que todos me acolheram.

 

 



Veja Também