Emanuelle Araújo sobre papel: “Movimento feminino importante”

Atriz, que vive a recém-separada Zuleika, exalta texto potente de Órfãos da Terra


  • 24 de abril de 2019
Foto: Globo/Selmy Yassuda


Por Redação

Difícil não se encantar cada vez que Emanuelle Araújo está em cena. Sucesso como a protagonista da série Samantha!, em sua segunda temporada, na Netflix, ela já vem conquistando o público também como a Zuleika, de Órfãos da Terra. Recém-separada, a personagem saiu traumatizada do casamento e, com ajuda da filha, a feminista Cibele (Guilhermina Libanio), começa a ter um novo entendimento sobre as relações e sobre essa “nova mulher”. “Eu estou muito feliz de estar nesse momento representando um movimento feminino importante”, ressalta.

Nos próximos capítulos, Zuleika se verá apaixonada pelo delegado Almeidinha (Danton Melo), mas fará de tudo para não “oficializar” a relação. E, pelo o que estamos vendo, esse casal promete: é leve e divertido. E Emanuelle cada vez mais está fazendo bonito na linha do cômico. Aliás, ela arrasa em tudo o que se propõe a fazer. Desde quando assumiu, há 20 anos, a Banda Eva, no lugar da Ivete Sangalo, até hoje em que se dedica à carreira musical solo. Em breve, Emanuelle lança um disco em homenagem ao músico e poeta Jards Macalé.

Zuleika (Emanuelle Araújo). Foto: Globo/Paulo Belote

A Zuleika saiu traumatizada do casamento por uma traição. Isso muda a visão dela sobre os relacionamentos?

Na verdade, ela não quer cair nesse clichê de novo. Ela está com um pé atrás e quer descobrir uma nova forma de se posicionar.

Em tempos de se falar dessa “nova mulher”, da força feminina, ela acaba se identificando com isso?

Sim! Eu estou muito feliz de estar nesse momento representando um movimento feminino importante. Que não é só pelas meninas mais jovens que têm esse discurso, estamos em uma era onde todo mundo está começando a compreender isso, graças a Deus. Mas mulheres de uma geração atrás, que às vezes são jovens também e foram criadas em métodos convencionais, aí reproduzem um discurso antigo. Mas é muito legal porque a Zuleika está se reinventando, ela não quer mais esse discurso. A filha ajuda muito ela.

 

 

Você se surpreendeu com o sucesso da série Samantha!?

Sim, e estou muito feliz. Samantha é uma série muito importante para mim, é um personagem que eu adoro. São dois trabalhos muito legais. A segunda temporada vai sair agora. A era é dos atores e isso que importa. Eu fiz dez anos seguidos de novelas aqui na TV Globo e estou fazendo muito cinema nacional graças a Deus. A série tem um outro sabor para o ator, você ter uma história por episódio é diferente de uma obra aberta.

E é um formato bem diferente, em que você sabe o início, o meio e o fim, certo?

Isso. E é diferente também você contar uma coisa a cada episódio, já a novela é essa delícia que é uma coisa que eu amo. Trabalhar com a Thelma (Guedes) e com a Duca (Rachid) é maravilhoso, são autoras muito potentes, extremamente coerentes com o ofício. Elas gostam do que fazem, elas fazem com orgulho e propriedade. Sempre me encanta o diálogo, as palavras que escrevem cabem na boca do ator, são sempre histórias interessantes e pertinentes, No meio disso tudo tem um diálogo, todo o melodrama que novela precisa, todo humor. E como o nosso diretor Gustavo (Fernandes) falou: ‘O texto é extremamente consistente’. Eu trabalho com o Gustavo desde a minha primeira novela na TV Globo, que foi Pé na Jaca, em 2007. Quando eles me ligaram para fazer a novela eu falei: ‘Gente, como eu vou dizer não para a minha turma?

Samantha (Emanuelle Araújo), protagonista da série homônima, na Netflix. Foto: Reprodução Instagram

Qual o segredo para continuar assim sempre tão bonita?

Eu me cuido bastante, mas no sentido mais básico, alimentação e sono. Mas acho que mais do que isso, eu amo viver. Eu amo ser alegre, mesmo estando muito difícil estar alegre nesse país. O Brasil está todo dia desafiando a gente, parece que é um desafio constante para você perder sua alegria, mas eu não vou perder não. Eu vou continuar falando o que eu penso e me posicionando como eu acho. Porém, buscando leveza.

 

 

Julia Dalavia, a Laila: “Uma mulher num lugar forte de heroína”

Eli Ferreira, a Marie: “Descobrindo minha ancestralidade”



Veja Também