Diogo Nogueira: “Se um desafio me interessa, pulo no escuro”

Cantor, que estreia no Show dos Famosos, fala ainda sobre estar em listas dos mais sexies


  • 14 de abril de 2019
Foto: Fabiano Battaglin/GSHOW


Por Luciana Marques

*Esta entrevista também está disponível em vídeo, abaixo.

Um dos principais nomes do universo do samba atual no Brasil, Diogo Nogueira não tem medo de se aventurar em outros ritmos. E isso poderá ser comprovado a partir deste domingo, 14 de abril, quando o cantor estreia no Show dos Famosos, do Domingão do Faustão. No quadro, artistas de diversas áreas homageiam nomes da música nacional e internacional. “Quando um desafio me interessa profundamente, eu pulo com tudo, no escuro, eu mergulho”, conta.

Para Diogo, que vem de uma família de referências na música, o avô, João Batista Nogueira, e o pai, João Nogueira, ser cobrado ou receber crítica, faz parte, e isso vem desde o nascimento. Ao completar 11 anos de uma vitoriosa carreira, o cantor ri quando é indagado sobre o que acha de fazer parte de listas dos mais sexies na música. “Acho que todas as pessoas são lindas”, diz ele, que recentemente lançou o clipe do hit Tá faltando o quê?.

Foto: Globo/João Cotta

O que fez você bater o martelo para aceitar esse desafio?

Conhecer pessoas novas, ter um aprendizado diferenciado toda a semana e me entregar para a arte por completo. Esse foi o grande diferencial para eu aceitar e fazer esse projeto.

Você já estudou atuação?

Nunca. Tudo o que eu coloquei no SamBRA como ator, foi criado por mim, com a ajuda do Gustavo Gasparani, e eu acho que aqui não vai ser diferente. Tem toda uma estrutura que nos ajuda a trazer o que a gente tem, o que a gente imagina, com a experiência das pessoas que já trabalham aqui. Isso ajuda a criar o personagem, aquele artista que será homenageado.

 

 

O que essa experiência vai agregar ao artista Diogo Nogueira?

Vai agregar exatamente tudo. Eu sou um cara que gosta de desafios. E quando um desafio me interessa profundamente, eu pulo no escuro. Como mergulhei no SamBRA, em outros projetos, em programas de rádio, de televisão. Isso traz conhecimento, experiência, entendimento do público e de tudo o que acontece na arte. Então é uma opotunidade de crescimento, de enxergar as coisas de uma forma diferente e melhor.

Você está acostumado a subir no palco, mas já se imaginou com uma caracterização como essas maravilhosas do Show dos Famosos?

Não! Eu tô num expectativa muito boa, estou muito feliz com o projeto, eu acho que a gente 'vai virar um cavalo', como dizem na religião candomblé, 'o santo vai descer'... Eu acho que isso é muito bacana, a gente poder brincar com esse universo e resgatar uma história da música brasileira que foi muito forte, muito presente. E que eu acho que neste momento está meio esquecida. Eu assisti às outras temporadas e eu consegui ver estes artistas, eu consegui ver uma história sendo contada no palco. Fazer parte disso, eu estou pulando que nem bolinha de pingue-pongue na mesa.

A gente conhece muito você no samba. Acha que o público vai se surpreender ao vê-lo “navegar” em outros ritmos?

Com certeza! Eu acho que a música brasileira nos traz tanta riqueza que permite que a gente, como intérprete, possa mostrar ela com nosso jeito e nosso carinho. Pode ser funk, soul, sertanejo, rock and roll, forró... É uma música tão linda e tão rica, que a gente não pode deixar de cantar ela, independente do rótulo que colocam em você.

A questão de ser analisado, como você lida com isso, de repente com uma crítica?

Na verdade, a gente já nasce sendo criticado. Eu venho de uma família de artistas, meu avô (João Batista Nogueira) foi músico, tocou com Pixinguinha, Jacó do Bandolim. O Pixinguinha chamava o meu avô de mestre, o meu pai (João Nogueira) foi um cara muito reconhecido como músico e intérprete da música brasileira. Então você já nasce sendo criticado, faz parte. A crítica serve para você crescer, para você analisar, para você ter um entendimento das coisas pelas quais te criticam com uma visão diferente. Eu sei que eu vou ser julgado, eu sei que vou ser criticado, e vou absorver tudo isso para ficar cada vez melhor.

Com Mumuzinho, campeão da edição passada. Foto: Reprodução Instagram

Você quase sempre faz parte de listas de cantores mais sexies do Brasil. O que acha disso, se vê assim, se acha sexy?

Eu não acho! Eu acho que eu sou uma pessoa supernormal, eu lido com isso com uma naturalidade. Eu acho que eu sou um ser humano como todos. Acho que todas as pessoas são lindas, tem coisas para mostrar, independende de cor, cabelo, gênero, enfim...

 

 

Solange Almeida: “Será mágico me transformar em alguém que admiro”

Hugo Bonemer: “Se contarem que chorei com convite, vou desmentir"



Veja Também