Diego Montez estreia na Globo: “Veio no momento que tinha que ser”

Expoente nos musicais, ator leva um pouco do seu humor ácido ao personagem de Bom Sucesso


  • 07 de agosto de 2019
Ator vive o diretor de Marketing Willian, em Bom Sucesso. Foto: Jorge Bispo


 

Por Luciana Marques

*Esta entrevista também está disponível em vídeo, abaixo.

Um dos atores mais requisitados de sua geração no teatro musical - ele já fez Cazuza – Pro Dia Nascer Feliz, A Era do Rock, Wicked, A Noviça Rebelde, entre outros - Diego Montez acaba te somar mais uma conquista importante na sua carreira: a estreia na Globo, em Bom Sucesso. Essa sua vitória infelizmente não pode ser acompanhada pelo pai, o jornalista e apresentador Wagner Montez, falecido em janeiro deste ano. “Estou muito feliz de estar aqui porque era uma vontade muito grande que ele tinha de me ver nesta casa”, conta ele, filho único de Wagner com a atriz Sonia Lima.

Na trama das 7, Diego dá vida ao diretor de marketing Willian, de índole duvidosa, mas com bom coração. Conhecido por viver vilões em tramas como Rebelde e Dona Xepa, ele agora faz seu primeiro personagem adulto na TV. “Já não estou no colégio, com uniforme”, diverte-se. Bem-humorado, Diego lembra que até conseguir um papel na emissora carioca fez tanto teste que daria um longa. Mas cada batalha é um orgulho para o ator, afinal, conquistou seu próprio espaço na vida artística, sem precisar utilizar o sobrenome dos pais famosos.

Willian (Diego Montez). Foto: Globo/João Cotta

O que tem mais instigado você nesse trabalho? É o desafio de contracenar com tanta gente que eu admiro, estar par a par com essas pessoas, porque eu aprendo muito com eles. Eu acho que não só o personagem é um presente incrível, mas também a convivência com essas pessoas. Então está sendo uma experiência muito enriquecedora.

Como definiria o Willian? Ele tem um humor muito ácido, muito sarcástico, e eu sempre levo isso para os meus personagens. Quase todos os personagens que eu fiz foram vilões. O Willian não é  vilão necessariamente, mas ele tem uma índole meio estranha. Então eu gosto muito de levar esse humor ácido que eu tenho na vida, numa boa, mas eu tenho, para os meus personagens, e o Willian vai ter esse tipo de humor.

Como você recebeu a notícia de que faria a novela? E estou muito feliz, porque eu nunca tinha trabalhado aqui na Rede Globo, fiz dezenas de testes. Muitos para Malhação e não rolou, para a das 6, 7. Também fiz teste agora para o Wilian. E foi muito legal porque quando fiz o teste, fiz umas três vezes, e a última eu não gostei. Sai e disse para o Fábio (produtor), que me garimpou, desculpa, é a primeira vez que eu vejo um personagem escrito para mim, deixa eu fazer de novo? E ele falou, fica tranquilo... Já pensei, não vou receber telefone nenhum, jamais, nada. Aí eu tava um dia no metrô da Carioca e tocou o telefone. Oi, vamos fazer uma novela? Eu fiquei paralisado, precisei parar para respirar.

 

É a sua estreia na Globo. Demorou muito para acontecer ou veio quando tinha que ser? Acho que veio exatamente no momento que tinha que ser. Eu sempre aprendi muito em cada emissora que eu passei, e passei por experiências maravilhosas. Não tenho nenhum trabalho que eu consiga imaginar que teve alguma energia ruim. Todos me acrescentaram muito. E eu acho que tudo que a gente passa é um caminho onde a gente tem que chegar. Assim como esse aqui está sendo um caminho para algum lugar onde eu vou chegar. Então eu estou muito feliz, me sentindo no lugar certo, na hora certa.

A novela trata do tema vida e morte, e recentemente você teve que lidar com a perda do seu pai. Como é isso pra você? É muito louco! Porque fala exatamente sobre isso, e o personagem Alberto, interpretado pelo Fagundes, ele tem muito uma energia próxima da do meu pai. Então é muito emocionante ler uma novela que chegou num momento como esse. E é uma coisa que eu fico muito feliz de poder estar fazendo porque era uma vontade que ele tinha muito grande de me ver nessa casa. Então eu acho que de certa forma o cosmo foi ajudando tudo.

E a Sonia Lima, sua mãe, como está vendo essa sua estreia? Ela está amando, vai ser a primeira a assistir a novela, vai está na ponta do sofá para ver. Quando eu fui contar pra ela que tinha sido chamado, pedi para ela sentar no sofá e disse, mãe, preciso te contar uma novidade, ela já pensou que eu tinha batido o carro (risos). E ela, o que foi Diego, é muito dramática. E eu contei, e ela, ai você tá brincando?  Porque eu não tinha contado do teste para ela, eu levo para ela só o resultado final das coisas, para ela não ficar maluca. Porque ela e muito ansiosa, ela diz que eu sou, mas ela é mais. Quando eu contei, ela confirmou uma três vezes, e ela ficou muito feliz.

 

Como foi pra você sempre ter que lidar com o fato de ter pais famosos, isso ajudou, porque você acabou trilhando um caminho próprio, né? Em musical, por exemplo, isso nunca aconteceu. Eu fiz o meu nome no teatro musical com as pessoas meio sem saber que eu era filho deles. Quando eu estava na Record, meu pai também estava. Mas o meu público é um público adolescente, infanto-juvenil, que não teve acesso a Wagner Montes e a Sonia lima. Então diversas vezes aconteceu, e minha mãe ficava frustradíssima... Chegavam perto da gente e diziam, ah, você é a mãe do Diego Montez? (risos). Isso nunca foi algo que me pegou, nunca achei que eu cheguei em algum lugar por ser filho do Wagner Montes e da Sonia Lima. Sempre fiz teste para tudo na minha vida. Aqui na Globo se forem pegar todos os meus testes dá para fazer um longa. (risos)

Foto: Globo/Estevam Avellar

O que você achou da literatura estar no tema central da novela, numa época em que a tecnologia afastou muito as pessoas dos livros? Eu acho que é de uma importância tão imensa os autores terem tocado num assunto como esse. Porque eu sou um jovem que cresci lendo, eu sempre li muito, leio uma média de dois livros por mês. E a média de leitura no Brasil é um livro por ano. Eu espero realmente que isso seja contornado e a novela possa incentivar novos leitores que se empolguem com essa ideia e que façam disso uma coisa mais presente no seu dia a dia.

Você está sempre fazendo algum musical, agora deu uma pausa? Eu não consigo largar o teatro musical. Eu tenho novidades para o segundo semestre, daqui a pouquinho vai ser anunciado. Mas estou feliz de poder estar fazendo os dois, TV e teatro musical, com o coração pleno e completo nos dois. Muito legal!

 

Fabiula Nascimento, a Nana: “Não é burra, não está fechando os olhos”

Romulo Estrela sobre Marcos e Paloma: “Ele vai correr atrás”

 



Veja Também