Conheça Vance Poubel: Ele é o gato León nas cenas de ação

Professor de Parkour é o dublê nas sequências de trasnformação do bicho em humano


  • 04 de fevereiro de 2019
Foto: Wagner Carvalho


Por Luciana Marques

A partir desta terça-feira, dia 5 de fevereiro, com a posse de Gabriel (Bruno Gagliasso) no posto de guardião-mor, finalmente o gato León se livra do feitiço e vira humano de vez, na pele de Eduardo Moscovis. Mas até aqui em O Sétimo Guardião, foram muitas as cenas de ação do animal. E em todas elas e também nas transformações do bicho em humano e vice-versa, era Vance Poubel, de 31 anos, que brilhava. “Foi um trabalho que me deu muita liberdade de criação”, conta.

Ator e professor de Le Parkour, Vance, de 31 anos, foi um dos finalistas do reality de resistência Exathlon Brasil, exibido na Band, em 2017. Praticante há 14 anos da técnica criada na França, ele conta fala sobre os benefícios do Parkour para o corpo e a mente. E diz que qualquer um pode praticar. “Não é competitivo. Ele depende muito do seu rendimento, então você só tem que ser melhor do que no dia anterior”, conta ele, que ministra aulas no grupo Picasso Parkour, no Rio.

Foto: Wagner Carvalho

Como definiria esse trabalho na novela?

Quando comecei a treinar Parkour, dei aula para a Priscila Fantin, e fiz uma peça com ela, aí me apaixonei pela teatro, comecei a estudar. Então, eu trabalho muito com TV e cinema. O trabalho de dublê eu até faço pouco, porque eu gosto muito da liberdade criativa, e isso é algo que, às vezes, a gente não tem. E o trabalho do León, especificamente, me deu muita liberdade. Os responsáveis pela trama conversaram muito comigo e eu pude criar as cenas, claro que junto com eles, para ver o que era viável.

O Sétimo Guardião: Sóstenes confronta filho, Murilo, por sumiço

O Sétimo Guardião: León enfim vira humano e se chama Murilo

O que foi mais complexo ao fazer sequências de ação do León?

Foi muito legal o fato de eu ter que modificar a movimentação, porque todos os movimentos que eu escolhi foram associados com uma movimentação felina, então eu uso muito quatro apoios. Até tem uma corrida que eu já fiz em série, que era uma brincadeira, imitando o personagem do X-Men. E na hora casou muito bem, os diretores gostaram e a gente incorporou no personagem, uma coisa bem animal, bem humana. Mas o Parkour é isso, ele tem esse processo de reconexão com esse formato mais selvagem, a movimentação deixa de ser bípede padrão. O corpo todo se movimenta junto.

Explica pra gente, o que é o Le parkour?

É uma disciplina, criada na França, que consiste na ideia de que você está preparado a encarar qualquer forma de obstáculo, tanto urbano, quanto natural. É um processo de preparação, porque nunca tem um fim, nunca chega a um ponto em que você está apto a lidar com tudo, é tipo um treino sem fim.

Foto: Wagner Carvalho

O que esse esporte traz de benefícios tanto para o corpo, quanto para a mente?

Ele é muito forte por conta das lesões, eu nunca quebrei um osso, é meio mágico até, é muito raro eu me machucar. Todo o esforço que você faz está ligado diretamente com uma decisão. Isso não torna só o seu corpo forte, torna a mente muito decidida e disposta a sustentar todos os seus desejos. Tanto quando você falha, tanto quanto você acerta. Uma coisa muito legal do Parkour é o fato de ele não ser um esporte competitivo. Então tudo o que você faz é basicamente para você. Não faz diferença se você pula 1 metro ou 6 metros. Importa você pular um pouco mais do que você pulou antes, não interessa o rendimento. É totalmente você com você mesmo. Então a ideia de estar seguro com você mesmo, faz você se sentir muito confiante, potente. Você vê coisas o dia inteiro que consegue desafiar e vencer.

Qualquer pessoa pode praticar?

O Parkour todo o mundo pode praticar, ele não é um esporte competitivo. Ele depende muito do seu rendimento. A gente vê muito salto de um prédio para o outro, acrobacias... Mas o Parkour está em tudo, no seu alongamento, na sua respiração, na forma com que você se locomove, arruma a casa. Tem que sempre ser mais exigente que no dia anterior, essa é a ideia de um treino contínuo, do contrário a gente acaba entrando no modo automático o tempo inteiro. 

Vance praticando Parkour em prédios.

Mas é necessário um preparo físico, não é?

Você ganha preparo físico, o Parkour não é o fim, é um meio, um treinamento infinito. Pessoas mais gordinhas, mais velhas, todo o mundo pode fazer, desde que você não esteja se machucando com o processo. Essa é a única regra que existe no Parkour.

Misterioso gato León vai virar humano na pele de Du Moscovis

Eduardo Moscovis: Está aí o gato León em forma de humano

 



Veja Também