Aline Dias, de O Tempo Não Para: “Vivo melhor época da vida”

Após ser mãe, atriz vibra com descobertas da doce Damásia e flerte dela com Elmo


  • 20 de outubro de 2018
Foto: Sergio Baia


Por Luciana Marques

Quem tem a oportunidade de conversar um pouquinho com Aline Dias, já se encanta com o sorriso largo, a fala ponderada, o jeito um pouco tímido. E vê-la atuando também é um presente. A atriz interpreta a doce Damásia, ex-escrava e ex-"congelada" de O Tempo Não Para? “Ela é um presente”, ressalta.

Aliás, o momento da vida de Aline, de 27 anos, não poderia ser mais do que especial. O trabalho na trama das 7 marca a sua volta à TV após dar a luz Bernardo, de 10 meses, da união com Rafael Cupello. “Ser mãe é o meu melhor papel, aprendo todo o dia”, conta.

Mas Aline, que engravidou após viver Joana, de Malhação: Pro Dia Nascer Feliz, em 2016, - ela é a primeira protagonista negra da trama teen -, admite que estava com saudades de atuar. E para ela, a missão da personagem é fazer muitas pessoas refletirem. “Ela ser analfabeta é apenas um detalhe, tem muitos valores”, ressalta.

Damásia (Aline Dias). Foto: Globo/Estevem Avellar

ALINE DIAS MÃE

“Eu estou vivendo dois papeis, a Damasia em O Tempo não Para, e o da Aline, mãe e dona de casa. Apesar de ter essa responsabilidade, ela vem com um aprendizado muito grande. Vem para um crescimento pessoal, como mulher e ser humano. Estou vivendo a melhor época da minha vida. Eu aprendo muito mais que eu ensino, nem estou muito nessa fase de ensinar. Acho que rola mais uma troca, tem muitas descobertas que me fizeram crescer.”

Carol Macedo, a Paulina: “Papel maduro, veio no momento certo”

Talita Younan vive a periguete Vera Lúcia: “Só agradeço”

VOLTA À TV APÓS A GRAVIDEZ

“Eu estava com muita vontade de voltar. Primeiro que a gente vive nessa correria como atriz, então eu estava vindo numa crescente bacana, aí no fim veio a gravidez, uma surpresa ótima. Mas eu estava com muita vontade de voltar para seguir o meu caminho, por mim e pelo meu filho, para poder dar tudo de bom pra ele, pela arte. E fiquei muito feliz com o convite, veio em uma ótima hora. Eu tive medo, mas ao mesmo tempo, eu tive muito carinho das pessoas, principalmente dos diretores Leonardo Nogueiras e Adriano Melo, na época. Eles vieram super carinhosos falar comigo e isso me fez ficar segura e confiar em mim. Filho não vem para estragar a vida de ninguém, vem para acrescentar. Eu tive uma gravidez bem tranquila, não fiquei neurótica, tudo tem o tempo certo, o tempo de Deus.”

O TEMPO NÃO PARA

“É uma novela que você olha e pensa que é uma historinha boba. Depois que eu vi o texto, percebi: 'Que história, que crítica legal que essa novela traz pra gente'. E veio num momento legal para poder falar de desigualdade social, racismo, dentre outros assuntos, a tecnologia.

Foto: Sergio Baia

DAMÁSIA

“Foi um presente muito legal. A Damásia era uma dama de companhia da Marocas, e a gente cria também vários subtextos dentro da gente, de como era a história dessa menina e como que ela apareceu nessa família. Quando ela descongela, está com muito medo. A gente vê um novo século, mas muita coisa de cabeça para baixo, valores que se perderam, e a gente se depara com isso, e o medo dela é estar nesse século e não conseguir avançar. Ela se descobre como mulher e ela vai se adaptando com outras pessoas. Está sendo uma construção muito bacana. Ela começa como cozinheira sendo explorada pela Coronela (Solange Couto), mas depois ela dá a volta por cima e vai trabalhar como chef de cozinha. Então, é um crescimento muito legal para a gente poder trabalhar.”

DAMÁSIA E ELMO

“Ela conquistou o Elmo pela boca (risos). Está sendo uma coisa muito verdadeira porque ela vem de outro século e não tem essa maldade que outra mulher talvez teria. Ela vai se sentindo especial. Ela tem um momento em que se olha como mulher, ela experimenta uma nova roupa, se olha no espelho de calcinha e sutiã e vê o quanto ela é uma mulher bonita. E aí ela tem esse contato com ele, que é o primeiro homem no século atual com quem ela se envolve. Ela vai aprendendo a se comportar, e tem sido muito legal construir isso com o Felipe (Simas), está sendo uma troca bacana. Por enquanto não tem namorinho não, é só um flerte.”

Damásia (Aline Dias) e Marocas (Juliana Paiva). Foto: Globo/João Miguel Júnior

DAMÁSIA ANALFABETA

“A gente tem um número muito grande de analfabetos no país, e pode ter certeza que não falta vontade para eles aprenderem, assim como para a Damásia. A vida inteira ela ficou servindo, ela não teve essa oportunidade de estudar, e na época nem era cabível um escravo estudar. Hoje ela se sente envergonhada por estar ali com outras pessoas que sabem ler e escrever, e depois desperta nela essa vontade de querer aprender. Estou representando sim muita gente, existe muito preconceito nisso ainda. As pessoas que são analfabetas elas tem outras coisas a serem admiradas. Na minha família a gente tem uma cobrança de ter uma faculdade. Agora você imagina para um analfabeto, de ter que começar do zero. É legal representar e ver que existem outros valores e é aí que o Elmo se apaixona. Ela ser analfabeta é apenas um detalhe. Ela é discriminada no trabalho, mas luta, demonstra o que ela sabe fazer e impõe respeito.”

CRÍTICA SOCIAL

“Da parte da Damásia não tem tanta coisa que alfineta, mas eu vejo os textos vindo de Dom Sabino, Cecílio e Cairu, é uma coisa que choca e precisa ser falada. A gente espera que as pessoas que estão assistindo reflitam. Nós atores que estamos fazendo os congelados escravos, somos muito unidos. A gente se encontrou muito para conversar e trocar e poder ajudar um ao outro. Essa união tanto existe entre nós quanto com os personagens, acho que na época, os escravos eram muito unidos. Eles não tinham para onde correr, você trabalha numa casa de graça, cada um tem que contar com o outro. É bem legal isso de ter essa união e a gente tenta trazer isso para a realidade também.”

REPRESENTATIVIDADE, EXEMPLO

“Eu tive essa noção em Malhação, depois que eu vi o tanto de mensagens que recebi de jovens. Uma negra estar ali, é uma coisa que a gente precisa dessa resposta. Eu tive um retorno muito positivo. Os pais que me paravam nas ruas para dizer que a filha parou de alisar o cabelo para deixar ele natural. É uma evolução lenta, mas estamos evoluindo e podendo dar essa voz, inclusive em O Tempo Não Para que é uma novela com o maior elenco negro escalado.”

CHEF ALINE

“Eu tive que me virar. Depois que eu casei e tive filho, eu tive que aprender. Já sabia algumas coisas. Foi legal essa fase de grávida porque fiquei em casa descobrindo essa nova vida como dona de casa e mãe. Sei fazer algumas coisas mas não sou muito audaciosa.”



Veja Também