Paulo Giannini e Kadu Garcia na comédia Procópio

Peça leva à reflexão de como seria viver sem arte e cultura


  • 05 de setembro de 2018
Paulo Giannini e Kadu Garcia. Foto: Ricardo Borges


Em tempos sombrios em que o Brasil vê um de seus maiores símbolos da história e da arte, o Museu Nacional, no Rio, virar cinza, por conta do descaso dos governantes com a cultura, nada melhor do que assistir ao espetáculo Procópio, com estreia nesta quinta-feira, 6 de setembro, na Arena do Sesc Copacabana, no Rio.

Com direção de Dani Barros e texto de Carla Faour, também idealizadora do projeto junto dos atores Kadu Garcia e Paulo Giannini, a comédia trata exatamente desse ponto, como seria a vida sem a arte e sem a cultura?

O próprio nome da montagem é uma homenagem ao ator, diretor e dramaturgo Procópio Ferreira, um dos grandes nomes do teatro brasileiro. Em 62 anos de carreira, ele fez mais de 500 personagens em 427 peças.

EXERCÍCIO SOBRE O FUTURO E PROVOCAÇÃO SOBRE O TEMPO E HISTÓRIA

No futuro, os moradores de uma praça são afetados por um “decreto” que muda a vida de todos: qualquer tipo de manifestação artística passa a ser proibida. A partir daí, dois estranhos se encontram no interior de um prédio abandonado.

Com a tensão da convivência forçada e de opiniões divergentes sobre a ordem estabelecida, com humor, poesia e humanidade, são mostradas as mudanças na vida desses dois homens. Procópio propõe um exercício sobre o futuro e uma provocação sobre o nosso tempo e nossa história. Em cena, possíveis consequências na vida desses dois indivíduos que buscam sobreviver em meio a profunda aridez cultural.

COMPROMISSO COM A DRAMATURGIA, ACOMPANHANDO ACONTECIMENTOS QUE ATROPELAM O BRASIL

Idealizadores da peça, Kadu Garcia e Paulo Giannini, já premiados pelo espetáculo Galápagos, explicam que a ideia é seguir o compromisso com a dramaturgia brasileira. “Chamamos a Carla para escrever, acompanhando o fluxo de acontecimentos que atropelavam o Brasil, ouvindo as urgências que nos circundavam”, explica Kadu.

“Chegamos a Procópio em 2017. Convidamos a Dani Barros para conduzir nosso destino em direção ao futuro criado pela Carla. E agora, vamos os dois para o palco, mais uma vez, dando voz as nossas inquietações”, emenda Paulo.

A premiada autora Carla Faour explica que não desejava apenas reproduzir os noticiários, e que seria mais eficaz se descolar da realidade, para enxergá-la melhor. “Poderíamos voltar ao passado, mas preferimos dar um salto no tempo e imaginar um futuro para 2018. Procurei falar sobre as dores dos personagens de forma bem-humorada e poética. Procópio é uma provocação pra que a gente ria e reflita sobre um hipotético futuro do nosso presente”, explica.

Procópio. Comédia. Até 23/09. Arena do Sesc Copacabana. Rua Domingos Ferreira, 160, Copacabana, Rio. De quinta a sábado, às 20h30; dom., às 19h. R$ 30,00. Duração: 70min. Classificação: 14 anos.



Veja Também