Rayssa Bratillieri entra em Éramos Seis: “Soraia vai ter uma virada e isso me instiga”

Ela vive a fútil personagem em nova fase e fala do desafio de fazer novo par com o namorado, André L. Frambach


  • 18 de outubro de 2019


Por Luciana Marques

*Veja a entrevista completa no vídeo, abaixo.

Desde que deixou o Paraná, aos 17 anos, em busca da realização do sonho de viver da arte, Rayssa Bratillieri, hoje com 21 anos, vem segurando com unhas e dentes cada oportunidade. E logo após virar febre entre os jovens com a personagem Pérola, de Malhação: Vidas Brasileiras, ela já emenda um novo desafio. Na segunda fase de Éramos Seis, que inicia no fim de outubro, a atriz entra na trama como a fútil e mimada Soraia, interpretada atualmente por Melissa Nóbrega. “Ela terá uma virada... E isso me tira da zona de conforto”, conta.

Outro desafio e tanto será fazer novamente par com o namorado da vida real, André Luiz Frambach, que fará o Julinho, filho de Lola (Gloria Pires) e Julio (Antonio Calloni), vivido na infância por Davi de Oliveira. Os dois deram vida ao casal queridinho da público em Malhação #Peromar. “É uma responsabilidade. Estamos conversando para buscar aí um novo casal, completamente diferente do que já viram”, diz. No bate-papo, a atriz também conta como o casal faz para preservar a relação e fala ainda da coleção cápsula criada por ela da marca sustentável Queroserfrö.

Até agora a gente viu na trama Soraia como uma menino muito rica, mimada, tendo tudo o que quer. O que esperar dela na nova fase? Ela é uma personagem complexa. Quando ela cresce e eu entro na novela, ela vem um pouco mais vulnerável, perdeu a mãe... Então ela tenta abrir espaço de relação com outras pessoas, com a Isabel (Giullia Buscacio), filha da Dona Lola. E ela não recebe isso de volta, então tem uma virada interessante. Acho que isso vai me instigar como atriz, que é o que eu busco, sair um pouco da zona de conforto. Eu estou feliz demais!

Há alguma identificação sua com a personagem? Acho que sempre tem algo, eu preciso procurar em mim onde eu tenho a Soraia. Eu acredito que identificação real é uma necessidade de amor, tanto a Rayssa tem quanto a Soraia também tem. É uma menina que quer se sentir amada, ela sempre teve tudo, diferente de mim que nem sempre tive tudo na vida. Só que cada uma encontra um jeito, busca uma forma de encontrar o amor das pessoas. Isso é uma coisa próxima da gente.  

Você e o André, seu namorado na vida real, vem novamente fazendo par na trama. Acaba sendo uma responsabilidade, até porque #Peromar de Malhação foi uma febre, né? Eu estou muito feliz, não tem nem o que dizer, você contracenar com quem você já conhece, tem intimidade, principalmente, o seu amor, é outra parada. Mas é uma grande responsabilidade sim. A gente fez um casal em Malhação que ficou muito marcado. A gente trouxe um lado com esse casal, agora a gente é um casal na vida real, Rayssa e André. Então a gente quer mostrar um outro lado. E a gente conversou muito e é o que a gente vai buscar nas cenas, não mostrar nenhum dos dois que as pessoas já conhecem. Mas uma outra forma, de um outro casal, Julinho e Soraia. Acho que isso traz uma grande responsabilidade porque a gente mesmo se critica nesse lugar de que a gente precisa buscar algo novo. E ao mesmo tempo a gente tem uma intimidade. E também, pô, a gente vive junto, a gente está ensaiando, a gente pensa junto para conseguir criar esse conflito diferenciado.

Como será esse casal? Rola uma questão muito social nos dois, ela é uma mulher muito rica e pode escolher o homem que ela quer. Eu olhei e disse, é esse que eu quero e é esse que eu vou ter. Há um triângulo com a Lili (Triz Pariz). E talvez se não fosse essa posição social tão importante da época, talvez ele não escolhesse a Soraia. Não tem uma questão tanto de amor, mas outras coisas que a gente vai querer mostrar.

Como você avalia essa sua ascensão na carreira, logo depois de uma estreia já pegando uma personagem importante, numa trama tão comentada? Eu comecei falando na entrevista que eu estou muito feliz. E isso que você cita do meu crescimento desde Malhação diz muito sobre essa minha felicidade. Primeiro que é uma concretização de vontades. E em Malhação eu sempre falo, eu tinha muita vontade, eu tinha estudado muito as  artes cênicas em si, mas nunca tinha colocado em prática. Estava muito crua no sentido de televisão, posicionamento de câmera, porque você só aprende fazendo. E o André foi muito importante pra mim nessa parceria em Malhação porque ele sempre fez muito novela. E eu estava com muita vontade de passar por esse processo. Então abracei com unhas e dentes a Pérola, que foi o amor da minha vida, no sentido da história como um todo e também no amadurecimento pessoal. A história que a gente contou em Malhação me tirou de diversas bolhas em que estava inserida e me colocou em outros lugares. E isso fez com que eu enxergasse o mundo de outra forma, a atuação de outra forma. Eu acho que assim a gente vai abrindo caminhos, e esse é o caminho que eu estou hoje.

André Luiz Frambach: “Mais um trabalho que eu conquistei com muito esforço”

Gloria Pires, a Lola: “A pegada da novela vai ser a coisa da emoção, olho no olho”



Veja Também