O Tempo Não Para: Samuca abre coração e faz Sabino chorar

Ele diz que amor por Marocas é maior que qualquer bem valioso e sogro desiste do dote


  • 17 de novembro de 2018
Foto: Reprodução Globo


Que Dom Sabino (Edson Celulari) é um homem de caráter e ética, ninguém pode negar. Mas que ele é um turrão, isso todo o mundo também sabe. Além de não abrir mão do “dote” para Samuca (Nicolas Prattes) se casar com Marocas (Juliana Paiva) – tradição antiga em que a família da noiva dá uma quantia de dinheiro ou bens ao noivo -, ele também inventou de colocar um pedágio em plena Freguesia do Ó.

E isso irritou profundamente os moradores do bairro e também sua amada, Carmen (Christiane Torloni). “Você faz tudo ao seu bel- prazer. Enfia as coisas na cabeça e sai feito um carro desgovernado... (diz ela impaciente). Você tem que conversar, tem que se abrir ao diálogo”, diz, e os dois ficam naquele gato e rato.

O Tempo Não Para: Mateus diz que lutará pelo amor de Waleska

O Tempo Não Para: “Dote” gera confusão entre Sabino e Samuca

SAMUCA A SABINO: “PRECISO FALAR DA NATUREZA DO MEU AMOR PELA SUA FILHA. É ALGO QUE NADA MATERIAL, POR MAIS VALIOSO QUE SEJA, PODERIA COMPRAR”

Nesse momento, Marocas entra. “Com licença, Carmen, será que eu poderia conversar a sós com meu pai por um instante?”, diz. “Ele é todo seu...”, fala Carmen, que sai irritada. “Minha filha... A luz dos meus dias...”, diz Sabino, que abre um sorriso para a jovem. Mas Marocas não quer saber muito de paparico. “Dote, meu pai? É isso mesmo? Esse assunto outra vez?”, pergunta ela.

“Homessa! As mulheres da minha vida tiraram o dia para me atacar! Isso é um complô?”, reage ele. E os dois iniciam ali uma discussão. “Vamos esquecer de uma vez por toda esse assunto do dote, por favor...”, pede ela. “Não entendo, minha filha. Essa é a tradição. Sempre foi assim: a família da noiva paga o dote ao noivo”, insiste ele. “Isso em priscas eras...”, rebate ela.

“Não para mim. Trata-se de uma questão de honra”, afirma Sabino. “O senhor é um turrão!”, fala ela. “E você é uma insolente! Onde já se viu questionar o dote?”, irrita-se ele. Nesse momento, Samuca entra na sala de Dom Sabino. “Será que eu posso entrar nessa discussão?”, pergunta. “Por favor, Samuca...”, concorda Marocas.

“Dom Sabino... Preciso falar da natureza do meu amor pela sua filha. É algo que nada material, por mais valioso que seja, poderia comprar. O que nós sentimos um pelo outro só tem um jeito de retribuir: com carinho, confiança e ainda mais amor. É isso que eu quero oferecer sempre pra Marocas, e o que tenho certeza que ela vai me oferecer”, fala Samuca, de todo o seu coração.

Marocas se emociona com as lindas palavras do amado. “Decerto que sim”, diz ela. Logo, a jovem e o empresário se dão as mãos, olhando-se com infinito amor.

DOM SABINO: “NÃO ABRO MÃO DE PAGAR OS FESTEJOS. AH, E QUERO UM NETO... UM VARÃO, QUE PERPETUE A LINHAGEM DA FAMÍLIA”

Nesse instante, Dom Sabino também se comove, e tenta esconder a emoção. Carmen entra na sala e percebe. “Você tá chorando, Sabino?”, quer saber ela. “Foi apenas um cisco que entrou em meu olho”, diz ele. Samuca troca um olhar de cumplicidade com Carmen, e volta a fala. “Bem, aproveito que estamos todos reunidos para comunicar que eu abro mão do pagamento do dote”, atesta. “Que bela notícia, meu pai”, vibra Marocas. “Mas aviso desde já que não abro mão de pagar pelos festejos”, garante ele. “Estou de pleno acordo”, concorda Samuca.

Mas Sabino ainda tem um outro pedido. “Ah! E quero um neto... Um varão, que perpetue a linhagem da família. Eu já contei a vocês que o tronco paterno da família, por linha varonil e sempre pura, descende dos senhores de castelo e terra murada do Douro e do Minho, em Portugal. Aqui nestes brasis o sangue dos Sabinos se misturou ao do brasileiro nato, o Cacique Tibiriçá...", fala ele, sem parar.

“Um assunto de cada vez, meu pai”, Marocas. Carmen abraça Sabino. “Tô orgulhosa de você, meu amor”, diz ela, que dá uma bitoca no amado, que reage, envergonhado. Já na sala de Samuca, Marocas e o empresário festejam a “vitória”, e também conversam sobre o encontro de Samuca com Lúcio (João Baldasserini), irmao gêmeo do vilão Emílio.

Samuca diz que teve uma boa impressão dele, e o achou totalmente diferente do irmão. “E você ficou disposto a conversar mais com ele?”, quer saber Marocas. “Sim. Mas com cautela... A gente mal conhece o cara, né?”, diz ele. “Você está certo”, concorda a jovem. “Cautela em tudo, sempre. Menos no amor...”, diz Samuca.

O empresário e a jovem se beijam apaixonados, nisso chega Rafael (Pedro Bayão), que balança a cabeça. “Ô, aqui é lugar de trabalho!”, diz ele, chamando a atenção dos pombinhos. Os dois se separam e riem da situação.



Veja Também