João Vicente de Castro, o Alain: “Entre o pânico e a excitação”

Ator avalia primeiro protagonista na trama das 6 e diz gostar de viver com risco


  • 13 de outubro de 2018
Foto: Globo/César Alves


Por Luciana Marques

Aos 35 anos, João Vicente de Castro brinca que tomou “uma puxada de tapete no melhor sentido”, ao ser convidado para viver o seu primeiro protagonista, o Alain, de Espelho da Vida. “Estava num momento estável da minha carreira... Mas só gosto de viver assim, com risco, com dificuldade”, conta ele, um dos fundadores do Porta dos Fundos, já eleito o canal mais influente do mundo em 2016.

João, que também atuou em Rock Story, em 2016, cita ainda que Alain é um personagem complexo. “Ele é problemático”, conta ele, também publicitário e apresentador do Papo de Segunda, do GNT. Para o ator, Cris Valência (Vitória Strada) é o grande amor da vida do cineasta da trama das 6, mas a vilã Isabel (Alinne Morais) tem um poder sobre ele sem explicação.

Mas isso só poderá ser explicado mesmo quando forem descobertos os papéis de cada personagem em 1932, e de que forma isso influenciou nos tempos atuais. Enquando as tramas vão se desenvolvendo, leia esse papo do ArteBlitz com o João.

Alain (João Vicente de Castro). Foto: Globo/João Miguel Júnior

AMOR DE ALAIN E CRIS

“Espero que shippem o casal. O Alain é completamente louco pela Cris. É a luz dos olhos dele. Ele tem uma questão muito séria em relação à confiança, e ele confia nela. Cris é o amor da vida dele, indiscutivelmente. Eles se amam demais, mas ele às vezes erra muito, se atrapalha. É um casal que vai de alguma forma mostrar muita realidade.”

Vitória Strada: “Tem algo muito especial, sagrado nesta novela”

Patrick Sampaio é Felipe, amante da vilã de Alinne Moraes

ALAIN NA TERAPIA?

“O Alain é um cara problemático. Se ele fosse um amigo, eu diria para ele ir para a terapia. Ele é solar, mas se depara com a criptonita dele. E ele perde todos os poderes. Ele é essencialmente um homem bom, mas dadas as circunstâncias ele está fraco, está em contato com a maior dificuldade da vida dele. É difícil.”

VILÃO OU MOCINHO?

“Ele é bacana, mas não é bonzinho. Boa dramaturgia não tem bonzinho e mauzinho. Tem pessoas. Na minha opinião, quando o texto é bom, os personagens tem várias facetas. A gente não é bonzinho, acordamos cada dia de um jeito. Tem coisas que nos confrontam que a gente não consegue se manter no prumo, sai do sério. O Alain é uma ótima pessoa, amoroso, afetuoso, ético, mas quando ele se depara com o passado, ele mete os pés pelas mãos. É uma grande luta a novela inteira para ele não se separar dele mesmo. E às vezes ele se perde. Então, ele é um ser humano. Acho que o conceito de vilão e mocinho está cada vez mais diluído.

PRIMEIRO PROTAGONISTA

“Eu conheço esse universo do cinema, mas tudo é um desafio. Está sendo muito gostoso, em um momento que a minha carreira estava estável, tomei uma puxada de tapete no melhor sentido de ser tudo novo. Primeiro protagonista, e esse cara é muito difícil de fazer. A coerência dele, as dificuldades, os maneirismos. É tudo muito bem construído. Realmente é um personagem cheio de pequenas variações. Acho muito pouco se for só isso. Essa ideia da finitude é muito interessante, e ele diz que está tentando se convencer de que existe outro lugar.”

Cris (Vitória Strada) e Alain (João Vicente de Castro). Foto: Globo/João Miguel Júnior

DESAFIO ENORME

“É entre o pânico e excitação o dia inteiro. É viver no limiar entre a euforia e a depressão, mas só gosto de viver assim, com risco, com dificuldade, com ter que fazer e aprender. Mas grande parte do que me faz escolher um trabalho é a história e as pessoas que estão em volta. Quando ouvia isso dos outros, achava demagogia, mas não é. Temos um ambiente nessa novela muito particular, parecido com o que eu tinha em Rock Story. É um clima familiar. As pessoas tem vontade de ver as outras trabalhando. Elas têm afeto. O Luciano Xavier, o fotógrafo da novela, que eu admiro muito, os câmeras são gênios. Estou muito bem cercado. Tenho certeza que se a gente trabalhar forte e atentos como estamos, conseguiremos chegar a um resultado muito honesto.”

MOMENTO CERTO DA VIDA...

“Acho que só é porque é. O momento certo da vida é a gente que faz. Com certeza se eu recebesse isso e pensasse, 'vai ser fácil', aí com certeza daria muito errado. Se vai dar certo ou não o meu trabalho, eu não sei. O que sei é que fiz tudo o que pude e estou brigando forte. A gente não tem que mirar no sucesso, nos prêmios, em ganhar tudo. Temos que mirar em acordar e fazer daquele dia o melhor possível. É assim que se ganha o jogo da vida.”

ALAIN X ISABEL

“A Isabel é uma presença muito desagradável para o Alain e ela se faz muito presente. Ela o quer de volta de qualquer forma, quer dominá-lo. E ele a despreza, odeia, tem raiva e sentimentos por ela. Ela mexe com ele, e ela sabe disso. É inteligente e sedutora. Tem uma fala dele: ‘Que poder tem essa criatura dos infernos sobre mim?’” Ele não alimenta isso, mas sofre. Se ele pudesse deletar ela da vida dele, deletaria. Ele não é apaixonado por ela, mas ela mexe com ele de uma maneira, tem desespero.”

Foto: Globo/João Miguel Júnior

EXERCÍCIOS

“Eu sempre fui do esporte, desde os 15 anos. Mas agora dei uma intensificada. Faço boxe hás anos, mas só isso não traria o efeito que eu queria para o corpo. Fui para o LPO que é o levantamento de peso olímpico. Agora também só bebo duas vezes por semana, passo longe de carboidrato e só como verduras de cima da terra. Não tomo remédio como muita gente vem fazendo. Chego na nutricionista e pergunto o que posso comer até morrer. Salada, brócolis… Minha gordice é aí. Bate uma fome de madrugada e eu como um balde de salada. Tenho um monte de potes de gelatina na geladeira que eu como feito um louco para saciar a vontade de doce. A vida não é perfeita, né? A gente tem que escolher nossas batalhas. Eu gosto de comer, então eu como o que eu posso. Muito!”

FORMA FÍSICA

“Meu corpo está como eu quero sim. É o que é. Também não tenho que trabalhar em cima de perfeição porque não serei perfeito nunca. Eu nunca tive um corpo obviamente perfeito. Mas tenho a impressão de que as pessoas que estão dentro do padrão também não se sentem perfeitas. Acho que essa perfeição nunca será encontrada, no fim das contas.”

OUTROS PROJETOS

“Não vou me ausentar do Papo de Segunda, não posso. Eu apenas não durmo (risos). Tenho que estar em São Paulo de qualquer forma. Mas é isso. É a escolha que eu fiz.”



Veja Também