O Tempo Não Para: Marocas se demite para choque de Samuca

Jovem não gosta das investidas do ex e agora chefe na Samvita


  • 05 de setembro de 2018
Foto: Globo/Raquel Cunha


O casal que amamos Samuca (Nicolas Prattes) e Marocas (Juliana Paiva) vai começar uma fase de gato e rato. Em sequência que será exibida na segunda metade de setembro, eles terão rompido o noivado, após a jovem ter se decepcionado com o amado por ele ter escondido dela que o terreno da Samvita está localizado nas terras que eram de Dom Sabino (Edson Celulari).

Mas como antes do rompimento ela havia sido contratada para trabalhar na Miudeza, empresa do grupo Samvita, para a criação de uma linha de cosméticos naturais, Marocas cumpre normalmente o horário de trabalho. O problema é que o agora ex, também é seu chefe, e não vai descansar se não tiver a atenção dela.

O Tempo não Para: A primeira vez de Samuca e Marocas

O Tempo Não Para: O primeiro beijo de Helen e Bento

MAROCAS PARA SAMUCA: “SE NÃO SOUBER SEPARAR AS COISAS, EU ME DEMITO”

Certo dia, Marocas está trabalhando, com sua mesa cheia de amostras de cremes e perfumes, que ela vai experimentando, fazendo anotações, quando Samuca entra. “Posso falar com você?”, pergunta ele. “Claro. Você é o meu empregador”, diz ela, para embaraço de ambos.

Ansioso em conversar com seu amor, Samuel tenta se explicar. “Eu precisava te ver, Marocas. Vinte e quatro horas sem você me pareceram uma eternidade”, confessa. Mas a jovem não recebe esse papinho muito bem. “Samuel, o que houve entre nós foi muito sério, foi uma quebra de confiança. É como você disse, eu trabalho pra você. É preciso separar as coisas”, avisa ela. “Eu não sei seu eu vou conseguir isso. Eu te amo”, diz ele.

Nisso, prontamente, Marocas começa a guardar suas coisas. “Então... eu me demito”, fala ela, convicta, para choque de Samuca. “O quê?”, diz ele. “Você não ouve bem? É muito jovem para estar surdo, está na flor da idade. Eu disse que me demito”, repete ela. “Você não pode se demitir”, insiste ele.

Nesse momento, Marocas lembra uma conversa que teve com o próprio Samucas quando estiveram juntos na casa de praia dele, mesmo local da primeira vez deles. “Eu sou a capitã da minha alma... Posso fazer o que eu quiser”, informa ela. “Você tem compromissos com a empresa... Você assinou documentos!”, lembra Samuel.

Convicta, a jovem diz: “Podemos desfazer o contrato”. Samuca explica que as coisas não funcionam dessa forma, e que a Miudeza emprega dezenas de pessoas. Marocas insiste que os funcionários continuarão trabalhando sem ela. “Você tem um contrato, e vai cumprir”, ordena o empresário.

Em meio à discussão, Marocas acusa Samuca de não estar sendo profissional. E ele reage. “Eu? Eu não estou sendo profissional? Você mal começou um negócio, que já envolve fornecedores, funcionários e tudo mais, e quer pular fora assim?”, acusa ele.

MAROCAS FALA QUE SAMUEL AGE DE MANEIRA SENTIMENTAL: “SERÁ QUE É PORQUE EU TE AMO”, DIZ ELE

A filha de Dom Sabino insiste que ele está misturando as coisas. “Eu não quero pular de lugar nenhum! Samuca, você está agindo de forma muito sentimental. Está deixando os seus sentimentos à frente de uma discussão de negócios. Não está agindo com o devido distanciamento”, ressalta ela. E ele diz com certo sarcasmo. “Será que é por que eu te amo?”. Ao ouvir a declaração, por instantes, Marocas, fraqueja.

Os dois ficam ali, se olhando. “Não, quer dizer... Sim”, gagueja ela. E o empresário continua tentando convencê-la a não sair da empresa. “Eu te amo, Marocas, mas isso não tem nada a ver com a sua posição. Você é sócia-gerente da Miudeza! E eu, como investidor, coloquei muita grana nesse negócio! Tem um monte de gente envolvida nisso!”, explica.

E a discussão continua. “Samuca, todo negócio envolve risco. Você não está avaliando a situação como deveria”, diz ela. “Não acredito no que eu estou ouvindo. Você quer me dar aulas de administração agora? Quer me ensinar a cuidar da minha empresa?”, pergunta. “Não seja impertinente”, diz ela. “Não seja irresponsável”, fala ele. E os dois se encaram.

“Não me chame de irresponsável”, pede ela. “Vou chamar do quê? De inconsequente?”, responde ele. “Eu não sabia que você conhecia tantos adjetivos assim. Pelo visto, quando se trata de qualificar os outros, você pode ser muito criativo, mas o mesmo não se pode dizer quando se trata de sua própria pessoa. Você está sendo arrogante”, acusa ela.

Samuca responde. “Arrogante? Eu? Isso vindo de uma garota que acaba de me chamar de ignorante”, diz. “Eu jamais diria isso”, fala ela. “Você vai voltar ao trabalho, e acabou”, ordena ele. “Não vou”, atesta ela.

Marocas pega suas coisas e vai saindo, Samuca atrás, todos da empresa vendo aquilo, e sem entender nada. Ele diz que ela precisa assinar o rescisão. Mas ela avisa que fará isso depois... E o deixa ali, sem reação.



Veja Também