A guerreira Pâmela Maranhão: Talento do metrô aos palcos e plataformas digitais

Com persistência, maranhense trilha história na música e lança clipe de Disco Voador


  • 23 de fevereiro de 2020
Foto: Amon R.


Por Luciana Marques

*Veja a matéria completa no vídeo, abaixo.

“Quem vive de arte no Brasil não vive da maneira que deveria”. Com essa frase, a jovem cantora Pâmela Maranhão, de 23 anos, resume um pouco de sua saga desde que resolveu correr atrás do sonho de ser cantora, ainda em São Luis do Maranhão. Licenciada em Música, ela iniciou a carreira cantando em bares de sua cidade. Até que decidiu alçar voos mais altos e difíceis. Assim, se mudou, sozinha, para São Paulo.

“Foi tudo muito novo e difícil. Cheguei sem nem saber por onde começar. E foi a partir disso que a música independente, a música de rua entrou na minha vida. Foi ela que realmente abriu as portas para que eu conseguisse cantar e mostrar a minha arte para o máximo de pessoas possíveis. Foi difícil, mas toda essa experiência me fez crescer muito como pessoa e profissional”, fala.

E foi no metrô, como muitos artistas pelo mundo mostram o seu talento, que ela começou a soltar a voz para juntar uma grana. “Eu costumo dizer que no metrô sempre existe um lado bom e um lado muito ruim. Já passei por muitas situações chatas, muita gente coloca fone, vira a cara, mas muitas pessoas aplaudem, gostam do trabalho. A gente passa por problemas, porque a arte é criminalizada dentro do metrô, a gente precisa fugir dos guardas, mas a gente luta com todas as forças para tentar passar por esses obstáculos. E o que me motiva é ver um sorriso, os aplausos e alguém dizer: “você mudou o meu dia””, conta.

Com um repertório que passeia da MPB, blues, ao samba e ao soul, Pâmela tem duas músicas autorais, Malandra e Disco Voador, disponíveis nas principais plataformas digitais. O clipe de Disco Voador acabou de ser lançado no canal do youtube da artista.

“Quando você vive de um sonho, é muito difícil. Existem sempre vários obstáculos, principalmente porque somos artistas, músicos. E nem sempre os caminhos são confortáveis. Mas eu costumo dizer que você é responsável pelo seu sonho, então continue sempre lutando pelo o que você acredita. Porque um dia a gente chega lá”, fala.

 

 

Conheça a história de Davi Benvindo: Violinista faz das ruas o seu palco de gala



Veja Também