Rafael Primot e os desafios na frente e atrás das câmeras

Roteirista de longas Reencontro e Ó Pai Ó 2 e ator nas séries Hebe, Aruanas e Chuva Negra


  • 21 de junho de 2019
Foto: Sergio Santoian


Passa ano, entra ano, o ator, diretor e roteirista Rafael Primot, de 37 anos, está sempre com a mente borbulhando, cheia de ideias para os próximos trabalhos. E olha que são muitos, na frente e atrás das câmeras. Só para este ano ainda, ele atua, escreve e dirige o filme Reencontro, da produtora PopCon e Imagem Filmes. “Eu gosto desse processo de escrever, dirigir e atuar. Faço isso desde a época de faculdade de Cinema. É um caminho que tento desenhar da minha carreira e gosto bastante, ter esse domínio de várias etapas”, conta.

Primot admite que não é fácil esse processo. “É complexo, mas quando você vai para o set com tudo detalhado, aí é só chegar lá e executar. É um lugar difícil ao mesmo tempo, pois tenho que controlar equipe e você precisa estar disponível sempre. Mas tenho grandes exemplos a seguir, como Selton Mello, Woody Allen, Nanni Moretti, Roberto Benigni, Clint Eastwood, Jodie Foster, do qual sou grande fã”, ressalta.

O roteiro de Reencontro fala sobre a história de quatro amigos nascidos em Capão Redondo, um bairro pobre de São Paulo, e o destino de cada um. “A grande protagonista é Laura, que sofre nas mãos da mãe opressora. Ela acaba engravidando, fugindo e vai trabalhar em uma oficina clandestina de roupas. Lá, acaba convivendo com alguns bolivianos que vivem em situação difícil aqui no Brasil. É um filme que tem esse foco social, questionador”, explica.

Primot também assina o roteiro de O Pai Ó 2, junto da diretora Monique Gardenberg, rodado em Salvador. Já como ator, ele dará vida ao escritor e autor de novelas Manoel Carlos, o Maneco, na série sobre a vida da apresentadora Hebe Camargo, e ao vilão Ramiro, um namorado abusador de uma das protagonistas em Aruanas, série do GloboPlay. Ele estrela ainda Chuva Negra, seriado do Canal Brasil e Now, escrito por ele, por Franz Keppler e Carol Rainatto, que fala sobre relações familiares.

Foto: Sergio Santoian

MENTE INQUIETA DESDE AS PRIMEIRAS AULAS DE CINEMA

Esse talento múltiplo de Primot, de conseguir atuar em várias áreas do cinema ao mesmo tempo acontece desde o seu início na área. Em 2007, com apenas 25 anos, ele idealizou um projeto intitulado Festival Pop de Cinema, em sua cidade natal, Itapeva, em São Paulo.

A partir daí não parou mais e começou a trabalhar em diversos projetos na sétima arte. Seu primeiro longa-metragem foi Gata Velha Ainda Mia, de 2014, com Regina Duarte, Barbara Paz e Gilda Nomacce no elenco. O filme foi exibido em Los Angeles, Miami, Nova York, Londres, Montevidéo e Buenos Aires.

Já em 2018, ele lançou o segundo filme como diretor e roteirista, no qual também atua, chamado Todo Clichê do Amor, em coprodução com o Canal Brasil, com Débora Falabella, Marjorie Estiano, Maria Luiza Mendonça e João Baldasserini no elenco.



Veja Também