Juliana Schalch vive jovem vítima da Síndrome de Borderline em novo longa

Estrela de Eu Sinto Muito, atriz diz ser necessário dialogar sobre a doença mental


  • 10 de outubro de 2019
Foto: Jorge Bispo


A atriz Juliana Schalch, de 34 anos, vem emendando importantes trabalhos em séries e também no cinema. Ao interpretar Luna, uma das protagonistas das quatro temporadas de O Negócio, da HBO Brasil, ela viu seu nome ser conhecido internacionalmente. Agora, Ju estreia a partir desta quinta, dia 10 de outubro, uma nova produção no cinema: Eu Sinto Muito, em cartaz na rede Cinemark.

No filme de Cristiano Vieira, a atriz interpreta Isabelle, vítima da Síndrome de Borderline. “O filme fala sobre saúde mental, um assunto tão delicado, tão necessário da gente conversar hoje. Assim, é contada a história de um cineasta que resolve fazer um documentário sobre esse transtorno de personalidade Borderline. E ele vai acompanhar a vida de três pessoas que têm a doença”, conta Ju.

Também conhecida por transtorno de personalidade limítrofe, a doença é caracterizada pela intensa instabilidade emocional. E marcada também pela impulsividade, irritação diante de respostas negativas, dificuldade no controle da raiva e idealização extrema.

“A Isabelle é uma mulher maravilhosa, extrovertida, divertida, gosta de extravasar, de dançar. Ela é enfermeira, e tem consciência do transtorno que sofre. Às vezes ela está mais na terapia, às vezes menos. E às vezes ela entra em crise, aí vai fundo mesmo. Pode ser uma frase para mudar o dia inteiro dela. E aí ela fica mal, triste. E isso é muito perigoso, de às vezes a pessoa atentar contra a própria vida”, ressalta a atriz.

Segundo Ju, por isso é tão importante o diálogo com pessoas próximas e a observação. “A gente realmente precisa se observar mais, se ajudar mais, observar mais os nossos amigos, oferecer ajuda, ser ajuda e pedir ajuda também caso necessite”, ressalta ela, que tem no currículo filmes como Tropa de Elite, E ai... Comeu? e Vidas Partidas. Ainda este ano, Ju estrela a série Anjo Loiro Com Sangue no Cabelo, de Felipe Bragança, do Canal Brasil.

Karin Roepke: “A crise nos motiva a procurar novos caminhos e é o que busco”

Bruno Garcia é Divaldo no filme espírita sobre o líder humanitário: “Saí diferente”



Veja Também